1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Membros do Boko Haram desaparecidos após emprisionamento

O exército nigeriano tem estado a anunciar várias detenções de membros do grupo radical islâmico Boko Haram. A Human Rights Watch (HRW) quer saber do paradeiro dos detidos.

No mês de setembro, mais de 460 pessoas que viajam do norte da Nigéria para o sul, foram detidas sob suspeita de ligações ao grupo terrorista Boko Haram. A escalada de violência no país causou 3.000 mortos e 10.000 deslocados nos últimos seis meses, segundo a organização Human Rights Watch. No entanto, a orgnaização de defesa dos direitos humanos também se preocupa com o que vai acontecer com os membros do grupo extremista Boko Haram.

Suspeitos desaparecidos

Nigeria Soldaten

Patrulha de militares nigerianos

De acordo com Mausi Segun da Human Rights Watch, o governo nigeriano declarou que “40 suspeitos foram condenados por crimes relacionados com insurgência ou terrorismo.”

No entanto, a Human Rights Watch acredita que “os números devem ser mais altos porque documentámos a prisão de mais de mil casos. Então a questão é o que aconteceu a essas pessoas? Nós recomendámos que 500, das 1400 pessoas deviam ser julgadas. O que está a acontecer com os seus processos? Gostaríamos que o governo nigeriano respondesse. O nosso painel recomendou a libertação de mais de 600 pessoas. O que aconteceu a essas recomendações? Não temos nenhum tipo de informação”, especifica Mausi Segun.

Sob pressão

O exército nigeriano tem estado sob pressão para retomar o território perdido para os combatentes islâmicos do Boko Haram no extremo nordeste do país e indicou que tem realizado operações coordenadas por terra e ar para fazer recuar os ativistas.

O presidente nigeriano Goodluck Jonathan tem recebido apelos para declarar guerra total aos militantes do Boko Haram que tomaram os estados de Yobe, Boro e Adamawa no norodeste do país, nas últimas semanas. Ainda esta semana o grupo radical islâmico atacaou duas vilas em Borno matando 20 pessoas.

Nigeria Flüchtlinge in Maiduguri

Refugiados nigerianos em Maiduguri, capital do Estado de Borno

Transparência em processos judiciais

Mas a Human Rights Watch procura investigar qualquer tipo de violação dos direitos humanos. Por isso, Mausi Segun da HRW, lembra que é preciso saber do paradeiro dos membros do grupo Boko Haram. De acordo com Mausi Segun, “centenas dos que foram presos, simplesmente desapareceram em custódia. Não existem registos, especialmente dos seus familiares, do seu paradeiro ou se estão a ser processados em algum tribunal.“.

Contra-ataque

Angriff von Boko Haram im nordöstlichen Stadt Konduga nahe Maiduguri / Nigeria

Ataque do Boko Haram à cidade de Konduga no norte

O grupo fundamentalista, que pretende criar um Estado islâmico no norte da Nigéria, maioritariamente muçulmano, ao contrário do sul, de maioria cristã, está ativo no país desde 2009 e terá causado mais de 3.000 mortes.

Entretanto, na quinta-feira (25.09), legisladores nigerianos aprovaram um pedido do presidente nigeriano, Goodluck Jonathan de mil milhões de dólares para lutar contra o grupo extremista Boko Haram.

O pedido foi feito este mês e será usado para a compra de navios, armamento e helicópetros, segundo uma fonte do Senado. A mesma fonte revelou ainda que a Bielorrússia vai ceder os helicópetros. No entanto, o empréstimo ainda terá de ser aprovado pela câmara baixa da casa dos representantes e só depois poderá ser assinado pelo presidente Goodluck Jonathan.

Ouvir o áudio 03:12

Membros do Boko Haram desaprecidos após emprisionamento

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados