Medidas contra ébola reduzem tráfego de passageiros em Cabo Verde | Cabo Verde | DW | 12.09.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cabo Verde

Medidas contra ébola reduzem tráfego de passageiros em Cabo Verde

Cabo Verde restringiu a entrada de estrangeiros vindos de países afetados pelo surto. Agora há voos "vazios".

Há muito poucas trocas comerciais entre Cabo Verde e outros países-membros da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO). No "top 10" dos parceiros comerciais de Cabo Verde não está nenhum membro da organização regional. A União Europeia é o principal parceiro comercial do país.

Por isso, na área do comércio internacional, os efeitos do plano de prevenção contra o surto de ébola têm sido pouco sentidos.

"Há alguns produtos senegaleses que estão a entrar em Cabo Verde no âmbito da CEDEAO, mas ainda não têm um grande significado", diz Jorge Spencer Lima, presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento (CCISS).

O mesmo já não se pode dizer do setor dos transportes aéreos, uma vez que há ligações quase diárias entre as capitais cabo-verdiana e senegalesa. O Senegal é o único país afetado pelo ébola com ligação aérea direta para Cabo Verde.

Jorge Spencer Lima acredita que a decisão de restringir as entradas no país afeta principalmente a transportadora aérea cabo-verdiana TACV. "Os aviões estão a voar vazios", afirma o presidente da CCISS.

Cabo Verde mantém restrições

O Senegal anunciou esta semana que está curado o jovem da Guiné-Conacri que introduziu no país o único caso confirmado de ébola.

Porträt José Maria Neves

Primeiro-ministro cabo-verdiano, José Maria Neves

Mesmo assim, o primeiro-ministro cabo-verdiano diz que Cabo Verde ainda não vai retirar o Senegal da lista dos países interditados."A decisão vai vigorar durante três meses", afirma José Maria Neves.

O governante esclarece que o que as autoridades nacionais estão a fazer é evitar a entrada do ébola no arquipélago.

"Por isso é que não fechámos as fronteiras", diz José Maria Neves. "Decidimos manter a circulação, não discriminar ninguém e ser solidários com os países onde há ébola, ao mesmo tempo que tentamos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para proteger o país e evitar que o ébola entre em Cabo Verde."

UA pediu fim das restrições a viagens

Numa reunião extraordinária realizada na segunda-feira (08.09), a União Africana recomendou que as restrições de viagens por causa do vírus do ébola sejam suspensas.

É preciso "ter cuidado para não introduzir medidas que tenham mais impacto social e económico do que a própria doença", referiu na altura a chefe da comissão da União Africana (UA), Nkosazana Dlamini-Zuma.

Cabo Verde diz ter-se antecipado às recomendações da UA. "Nós não fechámos as fronteiras", sublinha a ministra da Saúde, Cristina Fontes Lima. Além disso, a partir de 1 de setembro, o país pode "autorizar, pontualmente, a entrada de pessoas que venham de países afetados – por razões económicas, de emergência, humanitárias e outras de interesse público."

Aplausos e críticas

Ouvir o áudio 03:59

Medidas contra ébola reduzem tráfego de passageiros em Cabo Verde

O ganês Tony Parker, presidente da Plataforma das Comunidades Africanas Residentes em Cabo Verde, aplaude as medidas governamentais. "Estamos de acordo com as orientações das autoridades. Porque essa doença não é fabricada, é a sério", diz Parker.

Já o analista e professor universitário Daniel Medina mostra algumas reservas em relação ao plano de prevenção contra o ébola. "Em termos de teoria estamos bem preparados, mas em termos de prática não estamos assim tão bem preparados", diz à DW África. "Por outro lado, temos pecado um pouco em termos de informação."

Apesar da campanha de informação tanto nas rádios como nas televisões, ainda há cabo-verdianos que dizem ter poucas informações sobre a doença.

Planos funcionam?

O conselho do ministério da Saúde cabo-verdiano reuniu-se esta semana para analisar, entre outros assuntos, o impacto das medidas que têm sido tomadas no combate ao ébola.

O conselho decidiu que, nos próximos dias, o ministério da Saúde organizará simulações para verificar se o Plano Nacional de Combate à epidemia funciona. A linha verde criada para acompanhar os eventuais casos da doença também será testada.

O ministério da Saúde anunciou que o Governo disponibilizou cerca de 50 mil euros para prevenção e combate ao ébola.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados