1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

MDM: "Não concordamos com os resultados divulgados"

A terceira maior força política de Moçambique insiste que as eleições gerais foram marcadas por "práticas de fraudes". Por isso, o MDM rejeita os resultados preliminares que estão a ser divulgados.

A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) e o seu candidato presidencial, Filipe Nyusi, lideram a contagem dos votos desde que foram divulgados os primeiros resultados das eleições gerais, na semana passada.

A versão mais recente da contagem paralela do Observatório Eleitoral confirma a vitória de Nyusi, com 58 por cento dos votos, enquanto o candidato presidencial do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Daviz Simango, obteria 8 por cento. Na votação para a Assembleia da República, o MDM teria obtido 10 por cento dos votos. Estima-se que o partido conseguiu 25 assentos parlamentares, segundo as projeções, que têm uma margem de erro de 2 por cento.

Mas, entrevistado pela DW África, o porta-voz do MDM, Sande Carmona, diz que o seu partido não acredita nos números da contagem de votos anunciados.

"Os números que estão a ser divulgados não têm nada a ver com os votos nas urnas. Estão a sair números de editais cuja proveniência não se conhece", denuncia Carmona. "Não concordamos com esses números. Esse processo foi viciado. Estes números não interessam ao povo moçambicano e, por isso, não interessam ao MDM."

Wahlen Mosambik 15.10.2014 Wähler

MDM lamenta que voto de muitos eleitores não tenha contado

"Não reconhecemos processo de votação"

Na sexta-feira passada (17.10), o presidente do MDM e candidato presidencial, Daviz Simango, chamou a atenção para vários "relatos" de votos pré-preenchidos, pessoas com mais de um cartão de eleitor, pessoas que não puderam votar, ou, por exemplo, a não abertura de assembleias de voto.

Segundo o porta-voz do MDM, Sande Carmona, face a estes relatos, o povo moçambicano sai a perder do escrutínio. "O seu voto não contou para aquilo que eram as suas aspirações no processo de democratização e na eleição dos futuros dirigentes de Moçambique. Daí que não reconhecemos o processo de votação de 15 de outubro. "

O partido da oposição insiste que está no direito de denunciar situações que colocam em perigo o processo eleitoral moçambicano por ser um partido que participou neste processo desde o recenseamento até à votação. Agora, o MDM pede para ver os editais e as atas do processo.

"De acordo com a legislação moçambicana, temos o direito de termos os editais e as atas", afirma o porta-voz do MDM. "Até hoje, quer os nossos delegados de candidatura, quer os nossos Membros das Mesas de Voto (MMV) ainda não receberam os editais e as atas. E as datas para a divulgação dos resultados eleitorais já passaram."

Ouvir o áudio 04:32

MDM: "Não concordamos com os resultados divulgados"

Razão do atraso dos resultados

Para o porta-voz do MDM, a demora na divulgação dos resultados tem uma explicação clara.

"Tem a ver com o processo de viciação dos próprios dados que vão sendo divulgados pelos órgãos eleitorais", diz Sande Carmona. "Este é um atraso planificado, que tem a ver com a transformação da vontade do povo moçambicano na vontade de um grupo de pessoas. Isso significa que, mais uma vez, ao povo moçambicano é retirado o direito de escolher os seus legítimos dirigentes e os seus órgãos do Estado."

Face a este quadro, o MDM assegura que não vai baixar os braços.

"O MDM vai reunir os seus órgãos dentro de dias para decidir qual o rumo que vamos tomar e para definir o que o partido vai fazer como providência perante o desmando todo que está a ser feito pela FRELIMO, usando a Polícia da República de Moçambique", diz o porta-voz do partido da oposição.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados