1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Maturidade democrática no reduto do MDM

Cidade da Beira, capital da província de Sofala, tem em sua liderança o edil do MDM, Daviz Simango, candidato às presidenciais. Nesta que é a segunda maior cidade de Moçambique, a disputa eleitoral promete ser acirrada.

default

Adeptos do MDM fazem campanha em motocicletas, na cidade da Beira, capital da província de Sofala

Em Beira, foi quebrada, pela primeira vez, a hegemonia política da Frente de Libertação de Moçambqiue (FRELIMO), depois da histórica vitória do candidato da oposição Daviz Simango nas primeiras autárquicas no país, que mais tarde, em 2009, fundaria o Movimento Democrático de Moçambique (MDM).

Desde então a FRELIMO nunca mais conseguiu recuperar as rédeas da cidade.

Nas eleições gerais de 15 de outubro próximo, a cidade da Beira será palco do combate político mais renhido na história de Mocambique, uma luta intensa entre as três principais forças concorrentes: o partido no poder, FRELIMO; o maior partido da oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO); e a terceira maior força política do país, o MDM.

"Queremos personalidades com coragem e coração para levar o país para a frente." Este é um dos temas que os adeptos do MDM cantam, nestes dias, apelando assim ao voto no seu partido, nas ruas da cidade da Beira, cidade com 500 mil habitantes, a segunda maior cidade de Moçambique.

Jose Domingos Manuel MDM

José Domingos Manuel, membro do Comité Político Nacional do MDM, diz que seu partido é o favorito nas eleições gerais do próximo dia 15 de outubro

MDM sonhando alto

Depois das autárquicas do ano passado, os adeptos do MDM, partido que nasceu aqui na Beira, vivem dias de grande otimismo, pois não só venceram as câmaras da segunda maior cidade, como tambem outras importantíssimas câmaras no país: Quelimane, Nampula e Gurué.

José Domingos Manuel, membro do Comité Político Nacional do MDM diz que essas vitórias poderiam ter sido mesmo mais folgadas.

"Podia ter vencido mais, se fosse um país verdadeiramente democrático. Tivemos sinais vivos na cidade de Maputo, Matola, Chimoio, Mucuba, fora de algumas cidades que serviram de exemplo da nossa vitória," afirma.

Agora avizinham-se as gerais e sonha-se mais alto ainda no seio do MDM.

"O Movimento Democrático de Moçambique é o mais favorito. Experiência de governação temos e, da experiência própria de capacidade de governar, o Daviz Simango é o próprio e capaz de dirigir este país. Esperamos que o povo fará justiça, porque chega de 40 anos sem produção, chega de 40 anos derrabando a população," considera José Domingos.

FRELIMO in Beira

Caravana da FRELIMO faz campanha para o partido no poder, na cidade da Beira

Campanha da FRELIMO incomoda

Passeando pelo centro da cidade, deparamos com vários cortejos sobretudo do MDM. Mas, em termos de cartazes, quem manda, como um pouco por todo o país, é a FRELIMO, partido no poder central, desde a indepedência do país em 1975.

São enormes os cartazes, os chamados outdoors, com o rosto do candidato Filipe Nyusi estampado, ao lado do símbolo da FRELIMO, a maçaroca e o tambor. Alguns dos cartazes chegam mesmo a cobrir edifícios de quatro ou cinco andares.

António Fernando, taxista, 35 anos de idade, faz questão de nos dar a sua opinião sobre a situação na sua cidade e no seu país. Para ele, o que conta não são os cartazes, mas sim os conteúdos.

"Cartazes por todos os cantos. Cartazes com tamanho de prédio por aí. O Nyusi não tem dinheiro, o partido não tem dinheiro para fazer aquilo tudo. Estão a usar o dinheiro do Estado para fazerem cartazes. Amanhã ou depois, não têm dinheiro para aumentar os salários, não têm dinheiro para os combustíveis, para a saúde, porque estão a gastar o dinheiro com cartazes. Mas os outros estão aí sem cartazes, a fazerem campanhas," reclama.

Landesdirektion der Partei

Sede provincial da RENAMO na Beira. Também o maior partido da oposição está de olho nos votos dos beirenses

"Pessoas já lá vão. Não precisa gastar tanto com cartazes, o que as pessoas querem é a mensagem," conclui.

António Fernando reflete a opinião de muita gente na cidade da Beira, gente que é conhecida, alguns dias famigerada, por ter quebrado com o passado. As pessoas aqui querem a mudança e não a continuidade prometida nos cartazes pelo candidato da FRELIMO.

"Com essa continuidade que vai ser destes dos 40 anos que vinham a fazer, nem vale a pena. É de esquecer o voto do povo. O povo já está atento, o povo já está despertado. Não é o povo de 80, agora a visão das pessoas é outra," diz o taxista.

Vamos então, no táxi de António Fernando, à sede da FRELIMO na cidade da Beira, onde somos recebido pelo representante local. Também ele se mostra muito otimista. A vitória é certa, afirma o homem da FRELIMO e recomenda irmos ao bairro popular da Manga, onde neste momento andaria a caravana do partido no poder.

De fato, a caravana da FRELIMO está no terreno. Carros grandes, cartazes, bonés, t-shirts e uma quantidade de alunos a correram atrás da caravana.

MDM in Beira

Membros do MDM posam para foto diante da sede provincial do partido, poucos dias antes do fim da campanha eleitoral

Maturidade na Beira

A maior atração é esperada, no entanto, no domingo, dia em que Daviz Simamgo do MDM encerrará a campanha, na sua cidade. Os adeptos do MDM só esperam uma coisa: que Simango desperte mais curiosidade que o líder da RENAMO, Afonso Dhlakama, que no seu comício arrastou milhares de curiosos na cidade da Beira.

Quem deverá estar à frente dos destinos de Moçambique? Na cidade da Beira, a questão está longe de estar decidida. Aqui não há favas contadas. Os cidadãos da Beira adquiriram uma maturidade democrática não muito comum noutras regiões de Moçambique.

O taxista António Fernando é, nesse sentido, um típico beirense, sem papas na língua.

"É um país democrático? Tem que haver eleições livres, justas e transparentes, porque o povo está livre de escolher aquele que achar para ser o seu dirigente ou Presidente futuro," espera.

Ouvir o áudio 04:49

Maturidade democrática no reduto do MDM

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados