1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Maputo: moçambicanos vão às ruas pedir preservação do meio ambiente

Mais de 200 manifestantes reivindicaram maior rigor na aplicação das leis e a consciencialização da sociedade em geral para a proteção de espécies em risco de extinção.

A Marcha Nacional Pela Proteção da Vida Selvagem reuniu na manhã desta terça-feira (04.10) mais de 200 pessoas nas ruas de Maputo, capital de Moçambique. Segundo informação da agência de notícias Lusa, o movimento pela conservação do meio ambiente reivindicou a aplicação das leis e a consciencialização dos cidadãos para a proteção das espécies em risco de extinção no país.

Esta é a terceira vez que o movimento vai às ruas de Maputo em prol do meio ambiente. De acordo com a organização do evento, "é necessário que a legislação seja respeitada, só assim podemos garantir a conservação das espécies”.

Os participantes da marcha percorreram cerca de três quilómetros, passando pelas principais avenidas de Maputo. Eles levavam consigo cartazes com mensagens de exaltação da vida selvagem e entoavam cânticos de repúdio à ação de caçadores furtivos.

"Somos todos chamados a lutar por esta causa", declarou Patrícia Guerra, uma das organizadoras da marcha, destacando a importância da consciencialização para a proteção de espécies em risco de extinção em Moçambique.

Consciencialização da sociedade

Segundo dados oficiais, Moçambique perdeu 48 por cento da população de elefantes nos últimos cinco anos. Diante destes dados, os organizadores da terceira edição da marcha pela conservação da vida selvagem afirmam que a consciência dos moçambicanos começa a despertar, destacando a importância da adoção de medidas punitivas mais pesadas para a responsabilização de pessoas envolvidas na caça furtiva no país.

"Precisamos agora de fazer uma boa gestão do que existe", observou, assinalando que o envolvimento de instituições governamentais em iniciativas como estas é motivador e mostra que as autoridades moçambicanas começam a assumir com seriedade o problema da conservação da biodiversidade no país.

Caça furtiva aos elefantes 

Um novo estudo divulgado em maio deste ano pela União Internacional pela Conservação da Natureza (IUCN), que gere a base de dados da população do elefante africano em todo o continente, aponta que atualmente haja em Moçambique 10.800 animais, quando em 2006 haveria 14 mil elefantes no país, uma redução de 25% em 10 anos.

"A caça furtiva em Moçambique é uma realidade difícil de controlar", disse então à imprensa Carlos Lopes Pereira, chefe de Departamento de Fiscalização e Combate à Caça Furtiva na Administração de Áreas de Conservação. 

No global, lamentou o chefe do departamento tutelado pelo Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural, "Moçambique perde dois mil animais por ano", observando que este dado revela um rácio de seis elefantes abatidos por dia.

A pobreza das populações e o crescimento do mercado internacional de venda de marfim são apontadas como as principais causas da matança de animais e a localização de Moçambique nas proximidades dos países considerados como centros da caça furtiva tem contribuído para a generalização deste crime.

Conservação do meio ambiente

Iniciada em 2013, a marcha moçambicana pela proteção da vida selvagem juntou na segunda edição, em 2014 (em 2015 não se realizou), cerca de 2.500 participantes, um número que a responsável considerou "fenomenal", mas que não impediu que o número de elefantes no país continuasse a cair.

Até esta quarta-feira, 5 de outubro, em Joanesburgo, África do Sul, Moçambique é um dos temas de discussão na Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Fauna e Flora Selvagens (CITES). Ambientalistas e governantes estão reunidos para debater o combate à caça furtiva destas espécies, assim como avaliar o caso moçambicano. O país, que é acusado de não cumprir com normas internacionais,poderá ser penalizado pela convenção.

Leia mais