1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Manifestação de apoio a Guebuza divide Moçambique

A dois dias de Armando Guebuza, Presidente de Moçambique, completar 71 anos, o partido no poder, a FRELIMO, decidiu realizar uma manifestação de apoio ao seu líder. Sociedade moçambicana questiona o "porquê" desta ação.

A manifestação de apoio ao Presidente da República de Moçambique (17.01) está a ser criticada por vários quadrantes da sociedade moçambicana, que se interrogam sobre o porquê desta atividade partidária, quando se sabe que o Presidente Guebuza terá que abandonar o cargo este ano por estar impedido pela Constituição de concorrer a um terceiro mandato presidencial.

Mas, para alguns moçambicanos, chegou a hora de ser patenteado um vigoroso apoio ao Presidente Armando Guebuza que, segundo eles, muito tem feito para minimizar os efeitos da atual crise político-militar em que o país está mergulhado. Para muitos outros, a manifestação convocada pelo partido no poder não é mais do que uma tentativa de salvar a imagem do líder partidário e estadista Armando Guebuza, que enfrenta uma forte contestação, tanto no seio do seu partido como a nível da sociedade pública moçambicana.

Um momento conturbado no caminho da FRELIMO

A FRELIMO, que governa o país desde 1975, atravessa um momento conturbado, marcado pela sucessão de Armando Guebuza na presidência de Moçambique (mantendo-se, no entanto, como líder do partido) e por resultados considerados negativos nas últimas eleições autárquicas, realizadas em novembro, nas quais o Movimento Democrático de Moçambique (MDM) conquistou três das quatro principais cidades do país e teve votações acima dos 40% em Maputo, Matola e Chimoio.

Venâncio Mondlane ACHTUNG SCHLECHTE QUALITÄT

Venâncio Mondlane, dirigente do Movimento Democrático de Moçambique

Questionado pela DW África, Venâncio Mondlane, dirigente do MDM, afirma que a manifestação convocada para este sábado (17.01) pela FRELIMO é "uma tentativa desesperada de resgatar uma credibilidade que está a erodir-se dia após dia".

"As últimas eleições, que são o barómetro mais recente, indicam que, em todos os aspectos, a FRELIMO perdeu terreno relativamente àquela que é agora a segunda força política a nível autárquico, o MDM", considera Mondlane, acrescentando que "em função de um descontentamento generalizado, em função de um descrédito total do partido FRELIMO e, aproximando-se o fim do mandato e as eleições gerais, a FRELIMO está a tentar, de forma desesperada, arranjar uma forma de credibilizar aquilo que eu considero um partido incredibilizável".

Venâncio Mondlane, destacando que a manifestação é um direito que está consagrado pela Lei na Constituição moçambicana, frisa, no entanto, que, "do ponto de vista moral e filosófico" esta é uma questão "problemática". "Estamos perante uma situação de 'juiz em causa própria'. São os membros simpatizantes da FRELIMO que vão fazer uma avaliação positiva do próprio Governo da FRELIMO", explica. "Para mim, é uma grande aberração, numa altura de tensão político-militar e em que é do consenso geral que este Governo pôs tudo a perder. Não existem elementos nenhuns, nem a nível económico, nem a nível social, nem a nível cultural, que justifiquem uma nota positiva ao Governo da FRELIMO", conclui.

Ouvir o áudio 05:02

Manifestação de apoio a Guebuza divide Moçambique

Salvar a "má imagem" de Guebuza

O dirigente do MDM rejeita uma adesão "declarada" dos moçambicanos a esta manifestação, mas admite que o cenário pode ser outro quanto aos funcionários públicos, considerando que "haverá uma adesão, mas não por livre e espontânea vontade". "Neste momento, já que estamos numa altura em que se fala muito de raptos, os maiores reféns do Estado moçambicano são os funcionários públicos. São usados como um ricochete de conveniência sempre que se quer arremessar alguma coisa do partido para o povo".

Já Francisco Campira, secretário-executivo da organização "Oposição de Mãos Dadas", insiste que a imagem do chefe de Estado moçambicano é má, tanto no seio dos moçambicanos como no estrangeiro e que, portanto, é necessário que a FRELIMO faça algo. E a solução encontrada foi convocar uma manifestação de apoio: "É uma imagem que perdeu a total credibilidade no seio dos moçambicanos e que está a ser beliscada no seio do próprio partido. E, portanto, estão à procura de uma possibilidade de lavar a imagem desta figura".

Para Francisco Campira a adesão será muito fraca, uma vez que "as vozes que se opõem ao regime, e, em particular, ao Presidente da República, têm estado a culpar Guebuza por não ter a capacidade de contrariar a RENAMO no sentido de levar a RENAMO a não desenvolver ações militares".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados