1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Mais de 60 pessoas morrem em Moçambique depois de consumirem bebida alcoólica tradicional

Uma cerveja artesanal, consumida na ocasião de um enterro, tornou-se fatal. Pelo menos 69 pessoas faleceram por intoxicação alimentar em Chitima, distrito de Cahora Bassa, na província de Tete, no centro de Moçambique.

default

Familares dos falecidos a caminho do enerro das vítimas em Chitima

A fatalidade começou na tarde da última sexta-feira (09.01), quando um grupo de pessoas regressava de uma cerimónia fúnebre. Chegado a casa, como é de costume na zona sul da província de Tete, foi servida uma bebida alcoólica de fabrico caseiro.

“A dona de uma barraca fabricou Phombe, trouxe aqui e começou a vender. Na vinda do cemitério houve muitas pessoas que beberam Phombe”, explicou Cristóvão Mário, uma testemunha ouvida pela DW África no local da tragédia. “O dono da casa onde houve o falecimento começou a pagar a bebida às pessoas. A partir das 23 horas [de sexta-feira] começaram a morrer algumas pessoas.”

Quase 150 pessoas diagnosticadas

Carla Mosse, Direktorin für Gesundheit in der mosambikanischen Provinz Tete

Carla Mosse é a diretora provincial da saúde de Tete

"Tivemos 146 pacientes que deram entrada no centro de saúde de Chitima" a seguir ao consumo do Phombe, explicou Carla Mosse, diretora provincial da Saúde de Tete.

"Como o centro de saúde de Chitima tem uma capacidade limitada de espaço e meios de diagnóstico, fizemos a transferência de alguns doentes para o hospital rural de Songo", explicou.

Origem do veneno desconhecido

Beerdigung im Ort Chitima, Mosambik

Familares dos falecidos transportam os restos mortais duma das vítimas da intoxicação de Chitima

Ainda não é conhecida a origem do veneno que tirou a vida de cerca de meia centena de pessoas em Chitima. "Aqui em Tete não temos capacidade para fazer testes", disse Carla Mosse à DW África. "Todas as amostras de sangue e urina tiradas foram enviadas para Maputo. Neste momento ainda não temos os resultados."

Várias medidas estão a ser tomadas para que se evitem situações do género. Em Chitima, membros da Polícia de Moçambique (PRM) e agentes da saúde estão a interditar o fabrico de Phombe nos bairros locais.

"Reiteramos o nosso apelo ao não consumo de bebidas alcoólicas e principalmente esta de fabrico caseiro, que não foi testada por nenhum laboratório", apela a diretora provincial da Saúde de Tete.

Luto nacional em Moçambique

Ouvir o áudio 02:23

Mais de 60 pessoas morrem em Moçambique depois de consumirem bebida alcoólica tradicional

Na sequência da tragédia, o Governo moçambicano já decretou luto nacional de três dias a partir das 00h00 do dia 12 de janeiro. E foi enviada uma equipa de médicos chefiada pelo ministro da Saúde, Alexandre Manguele.

Em conversa com a DW África, Samuel Buanar, secretário permanente do Governo da Província de Tete, disse que, neste momento, as famílias necessitam de apoio moral e de produtos alimentícios.

Várias organizações da sociedade moçambicana juntaram-se em solidariedade para com as vítimas. Afonso Dhlakama, líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), o maior partido da oposição, também está em Tete para prestar o seu apoio junto das famílias enlutadas.

20 Jahre Frieden in Mosambik

A localidade de Chitima fica próxima do lago da barragem de Cahora Bassa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados