1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Mais de 100 crianças entre as vítimas mortais na Serra Leoa

Inundações deixaram cerca de 400 mortos e 600 desaparecidos na capital Freetown e arredores. Autoridades temem o alastramento de doenças como a cólera e a malária após o desastre.

default

Familiares de vítimas aguardam para entrar no necrotério central de Freetown

Tenneh Bull, moradora de Freetown, sobreviveu ao mar de lama que devastou a capital de Serra Leoa no início da semana, mas continua presa à lembrança da filha, que foi levadapelas águas. "Ontem à noite, não consegui dormir. Pensava nela. Lembro-me e sinto-me muito mal", diz.

Pelo menos 105 crianças morreram no desastre que deixou cerca de 400 mortos, de acordo com organizações no terreno. Mais de 600 pessoas continuam desaparecidas. O porta-voz da Cruz Vermelha, Matthew Cochrina, diz que a expetativa é que o número de mortos aumente.

"A probabilidade de encontrar sobreviventes está a diminuir rapidamente. Embora tentemos permanecer esperançosos, os nossos voluntários reconhecem que estão a trabalhar para recuperar os corpos. Ainda há 600 pessoas desaparecidas, por isso, o número de mortos deve subir", afirmou em entrevista à DW.

Sierra Leone Freetown nach dem Erdrutsch

Inundações destruíram casas e estradas

Foco: Salvar vidas

Segundo a vice-ministra da Saúde e Saneamento, Zuliatu Cooper, a prioridade é resgatar sobreviventes. "O que vi aqui é terrível. É um desastre natural e agora o foco é retirar as pessoas da zona. Já está escuro e está prestes a chover, então é possível que haja um outro incidente. Queremos salvar vidas. É melhor ter estruturas a desmoronar sem pessoas lá dentro do que ter pessoas no interior das estruturas", explica.

Joseph Willia, morador de Freeetown, pede ao Governo para se esforçar mais. "As bandeiras estão a meia-haste para honrar as pessoas que morreram. O Governo tem de se esforçar mais para ajudar as pessoas no nosso país, porque a destruição é muito grande", diz. 

Ouvir o áudio 03:00

Mais de 100 crianças entre as vítimas na Serra Leoa

As inundações e os deslizamentos de terra registados em Freetown surpreenderam muitos habitantes durante o sono. Mais de 4.500 famílias perderam suas casas. 

Sayo Jalloh sobreviveu ao deslizamento de terra numa montanha em Regent, nos arredores da capital Freetown. Ela sentiu a terra a tremer e conseguiu acordar toda a família antes do desmoronamento, inclusive o irmão que morava numa casa vizinha. "Eu só perguntava por que é que a terra estava a tremer. Numa fração de segundo, eu vi casas de vários andares a descerem pela montanha. Não havia mais nada, estava tudo coberto. Agora estou aqui e não temos onde dormir, não temos comida e roupas", lamenta. 

A população precisa de alimentos, água potável e ajuda médica. O Governo local abriu um centro de acolhimento em Freetown para prestar apoio aos mais de 3 mil desalojados de Regent, uma das zonas mais afetadas. As autoridades temem que poços de água tenham sido infetados e que surja um surto de cólera, de febre tifóide ou de outras doenças. A União Europeia disponibilizou 300 mil euros para apoiar às famílias mais necessitadas.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados