1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Músicos apelam à paz em Moçambique

Num concerto pela paz em Moçambique, realizado domingo (04.10), em Lisboa, Costa Neto e João Afonso fizeram um apelo à estabilidade, no dia em que se assinalou mais um aniversário dos Acordos de Roma, assinados em 1992.

default

Espetáculo teve lugar na Associação Cultural B.Leza, no coração da capital portuguesa

Os músicos estão preocupados com os recentes ataques e atos de violência, envolvendo forças governamentais fiéis à Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO, no poder) e elementos da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), a principal força da oposição.

A violência em Moçambique aumentou nas últimas semanas. Na sexta-feira (02.10), militares da RENAMO e forças de defesa e segurança voltaram a envolver-se em confrontos no distrito de Gondola, na província de Manica, forçando a fuga de dezenas de habitantes desta região.

Face aos sinais de instabilidade no país, Costa Neto e João Afonso exortam o povo moçambicano a afastar-se de todos aqueles que acham que podem procurar a solução de conflitos por via das armas e da violência.

Costa Neto

Músico moçambicano Costa Neto apela à união

Em voz cheia, os músicos exigiram o respeito pelas conquistas da paz em Moçambique. E fizeram-no com aplausos e brindes do público que acorreu em número significativo ao espaço da Associação Cultural B.Leza, em pleno coração de Lisboa.

Tempo de união

O apelo pela paz e democracia ganha força no ano em que Moçambique celebra o seu 40º aniversário da independência, evocado por Costa Neto, músico, compositor e intérprete moçambicano, mentor do concerto. "Não há razão nenhuma para a violência, em qualquer circunstância que seja", disse à DW África.

Por isso, exorta as populações a abraçar a paz. "Quanto menos pessoas se alinharem em posições belicistas, menos argumentos terá esta tendência", defende, sublinhando ainda que "é tempo de união entre os homens".

Também em conversa com a DW África, o conterrâneo João Afonso, "cantautor" português nascido em Moçambique, defende que deve haver entendimento entre os políticos moçambicanos. "Nós, cantores e músicos, temos o direito de alertar para a necessidade da coisa mais básica que queremos na nossa terra, Moçambique, que é a paz", afirma.

Ouvir o áudio 02:30

Músicos apelam à paz em Moçambique

Paz que, segundo o músico, "só é conquistada se tivermos paz real, que significa democracia efetiva, liberdade de imprensa e independência do poder judicial". Por isso, os músicos exigem do poder político "que se entendam e que haja sensibilidade para outro caminho."

Para o concerto deste domingo (04.10) no B.Leza também foram convidados músicos como Bonga, Otis, Ammy Injai, Tonecas e Amélia Muge, entre outros.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados