1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Médicos Sem Fronteiras condenam resposta lenta ao ébola

Um ano depois do anúncio oficial do início da epidemia na África Ocidental, a organização Médicos Sem Fronteiras lamenta que a comunidade internacional não tenha agido mais depressa. "Meses e vidas perderam-se".

Um relatório da organização internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF), divulgado esta segunda-feira (23.03), lamenta que a comunidade internacional tenha respondido lentamente ao surto de ébola que, em um ano, matou mais de 10 mil pessoas. Ao todo, foram registados cerca de 25 mil casos desde que a epidemia foi identificada pela primeira vez, em março de 2014, sobretudo na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa.

Para os MSF, a Organização Mundial de Saúde (OMS) não respondeu de forma rápida e adequada. O relatório acusa, por exemplo, a organização de ignorar apelos desesperados de ajuda por parte de técnicos na Libéria, em junho de 2014. Contactada pela agência noticiosa France Press, a OMS não quis comentar o documento.

Novo caso de ébola na Libéria

Nas vésperas de se assinalar um ano desde o início do surto, um novo caso de ébola na Libéria deitou por terra as esperanças de declarar o país livre da epidemia. As autoridades nacionais anunciaram na sexta-feira (20.03) que uma mulher foi contaminada com o vírus na capital, Monróvia. A Libéria não registava um novo caso de ébola há 27 dias e esperava atingir os 42 do período de incubação estabelecido pela OMS para declarar o país livre do surto.

Guinea MSF Ärzte ohne Grenzen Einsatz gegen Ebola

Equipa dos Médicos Sem Fronteiras em Gueckedou, na Guiné-Conacri

Francis Kateh, vice-director do Sistema de Gestão da Incidência de Ébola na Libéria, diz que o novo caso sublinha a necessidade de vigilância permanente da população no combate ao vírus. "O ébola não será eliminado enquanto não for totalmente erradicado. Temos de continuar a pôr em prática os mecanismos de prevenção".

Entretanto, na Serra Leoa, o Presidente Ernest Bai Koroma proibiu os seis milhões de habitantes do país de saírem de casa entre 27 e 29 de março, para evitar a propagação do vírus do ébola. Durante esse período, profissionais de saúde vão efetuar buscas porta a porta para identificar pessoas infetadas em várias regiões do país.

"A campanha vai proporcionar uma oportunidade às comunidades para se envolverem diretamente no objectivo de atingir os zero casos e refletirem e rezarem pela erradicação desta doença no nosso país", afirmou Koroma.

Populares continuam a negar doença

Na Guiné-Conacri, profissionais de saúde e responsáveis da luta contra o ébola afirmam que uma quarta onda da epidemia está atualmente a atingir o país, com o número de casos a aumentar em diversas áreas.

De acordo com Jerome Mouton, diretor dos MSF na Guiné-Conacri, os problemas de fundo continuam a ser os mesmos. Enquanto não forem dados passos maiores para obter a cooperação das comunidades locais, a doença continuará a afetar o país.

Ouvir o áudio 03:34

Médicos Sem Fronteiras condenam resposta lenta ao ébola

"O principal obstáculo à erradicação desta epidemia é, na verdade, a própria Guiné-Conacri", diz Mouton. "Aqui, ao contrário do que acontece na Libéria e na Serra Leoa, há populares que continuam a negar a doença e há pessoas que escondem os infetados e recusam ser identificadas."

De acordo com vários analistas, o plano de atingir os zero casos de ébola em abril é irrealista – só no final de 2015 se deverá registar uma diminuição acentuada da epidemia na África Ocidental.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados