1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Luaty Beirão suspende greve de fome

O ativista luso-angolano Luaty Beirão, preso acusado de atos preparatórios de rebelião e associação criminosa em Angola, voltou a alimentar-se e a receber visitas.

default

Luaty Beirão (de branco) no tribunal angolano, na altura em que esteve a ser julgado (12.02.2016)

Os serviços penitenciários angolanos confirmaram que o rapper e ativista Luaty Beirão, detido desde o início do ano por alegada preparação de rebelião contra o Governo, voltou a se alimentar.

O porta-voz dos serviços prisionais de Angola Menezes Kassoma conversou com a DW África nesta segunda-feira (9.05.2016), para explicar a sua versão do ocorrido:

“Na semana passada, quando se deu a transferência do recluso Luaty Beirão e seu companheiro, Nelson Dibango, alguns mídia veicularam que Luaty estava em greve de fome, informação que não era verdade. O que se deu foi que ele manteve-se em silêncio, após ter sido transferido contra a sua vontade. Inclusive, ele não recebeu a visita de seus parentes, consequentemente não recebeu os alimentos. Mas ele não estava em greve de fome. Ele até tinha consigo bolachas e alguma ração fria que foi comendo ao longo desses dias. No sábado [dia sete de maio], fruto do trabalho do nosso especialista em reabilitação e psicólogo, Luaty recebeu a visita de sua esposa e parentes. Depois desta visita, foi entregue a ele os alimentos”, explicou Menezes.

Angola Movimento Revolucionário - Adolfo Campos

Adolfo Campos, membro do "Movimento Revolucionário de Angola"

O amigo e companheiro de causa de Luaty Beirão, Adolfo Campos, nega a informação. Em conversa com a DW África, ele disse que a greve foi justa por causa “da reclamação de um dos nossos irmãos que ficou [para trás]. O mesmo foi separado dos 15 [ativistas]. E obviamente, houve uma reclamação por parte de todos os presos”, disse Adolfo completando que Luaty partiu, então, para uma greve de fome para ver se o Governo angolano levaria o ativista em questão também para o hospital-prisão, para onde Luaty foi transferido. “Porque na cadeia de Viana as condições são más e ospresos apanham muitas doenças. Lá estavam todos misturados”, desabafou Adolfo.

Por que Luaty foi transferido?

O porta-voz dos serviços prisionais de Angola confirmou que Luaty Beirão não queria ser transferido para outra prisão, mas que foi justamente mudado de área para ter melhores condições, uma vez que reclamava de diversas carências na cadeia de Viana, ressaltou Menezes:

Angola Medien Prozess Aktivisten in Luanda

Porta-voz dos serviços prisionais de Angola Menezes Kassoma

“No hospital-prisão de São Paulo, Luaty está na companhia de 12 colegas do grupo, enquanto que os outros estão no estabelecimento penitenciário de Caquila [em Viana, nos arredores da capital angolana].”

De acordo com Menezes, o serviço penitenciário entendeu transferir parte dos ativistas para o hospital-prisão de São Paulo porque o grupo dos 15 já esteve lá [hospital-prisão de São Paulo] na altura do julgamento “e nós não recebemos quase nenhuma reclamação deles com relação ao estabelecimento. Significa que lá foi o lugar onde melhor eles se sentiram”, defende.

O que falta aos estabelecimentos penitenciários angolanos?

Ao ser questionado da possibilidade de se transferir também os outros ativistas, que ficaram em Viana, Menezes foi claro: “De momento não, porque o plano era transferi-los da cadeia de Viana em função das constantes reclamações que faziam, da falta de condições e alegando muitas vezes o fato de estarem misturados com outros reclusos, segundo eles, altamente perigosos”.

Ouvir o áudio 04:18

Luaty Beirão suspende greve de fome

Adolfo, o ativista e amigo de Luaty Beirão, também falou da insegurança na cadeia de Viana [Caquila], mas ainda assim disse que o hospital-prisão é considerado uma cadeia VIP. “Aquilo não é uma cadeia. Aquilo é um hospital. E eles não estão doentes para estarem na prisão de São Paulo. Mas eles precisam de melhores condições de detenção”, defendeu.

O amigo de Luaty resume dizendo que atualmente se vive em Angola situações muito perigosas: “Estamos preocupados com o que poderá acontecer em um ano, ou em três anos, porque as cadeias de angola não têm condições para receberem reclusos que são seres humanos. Não há saneamento básico, de saúde e nem de alimentação”.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados