1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Luaty Beirão não desiste das suas reivindicações

Luaty Beirão informou, por intermédio de uma carta, que está doente, com febre alta e exige voltar para a Prisão de Viana. Serviços Penitenciários de Angola confirmam a doença e dizem não entender a posição do ativista.

Luaty Beirão pretende continuar o seu protesto e recusa os tratamentos dos técnicos de saúde, mesmo sabendo da gravidade da doença.

O ativista está em protesto desde o dia 4 de maio, após ter sido transferido, alegadamente à força para o Hospital Prisão de São Paulo e recusa tratamento desde então.

“Hoje acordei com febre. Esta agudizou-se ao ponto dos calafrios me darem convulsões. Há 15 dias que fui arrastado da prisão de Viana para o Hospital Prisão de S.Paulo em roupa interior e abandonado no chão de uma cela onde escolhi permanecer em protesto”, pode ler-se numa carta que Luaty escreveu na prisão e entregou posteriormente a um dos membros da família.

"Há 15 dias que não tomo banho e que estou exposto a uma nuvem de mosquitos que, mesmo tapado dos pés à cabeça e a suar em bica, encontram maneira de se introduzir nas minhas narinas. Era uma questão de tempo até o paludismo tomar conta e ontem ameaçou, hoje consumou-se", escreveu Luaty Beirão na carta divulgada na quinta-feira (19.05.).

Na carta, o ativista afirma que fez algumas concessões como a punção intra-venosa para extração de sangue e urina para dar tempo aos decisores para cumprir com a sua única exigência: “um compromisso escrito da direção dos Serviços Penitenciários para que aceitem devolver-me à comarca de Viana nas condições que deixei, a mesma desde o primeiro dia".

Angola Gefängnis in Luanda

Hospital Prisão de São Paulo, em Luanda

Na conclusão do documento, Luaty Beirão garante ainda que a “febre já está a subir" mas que continua determinado em "apenas aceder ao tratamento se esse documento for produzido e exibido", ficando a sua mulher com uma cópia.

Luaty exige ainda igualdade no tratamento de todos os reclusos e protesta contra as sucessivas transferências entre os vários estabelecimentos prisionais.

Serviço Penitenciário reconhece doença de Beirão

Menezes Cassoma, porta-voz do Serviço Penintenciário angolano, reconhece que Luaty Beirão está doente "com três por campo de paludismo" .

Cassoma acrescenta que não entende a postura de Luaty e afirma ainda que esta transferência para a Cadeia de São Paulo foi fruto das reclamações dos ativistas e familiares e das denúncias da imprensa que apontavam as más condições e perigos no estabelecimento prisional de Viana.

"É importante perceber que se o Luaty está doente, o hospital de especialidade para o atender, é o Hospital Prisão de São Paulo", garante Cassoma. O ativsita "não tem como ser transferido para Viana porque é no Hospital Prisão onde estão os médicos que o podem assistir".

Laurinda Gouveia e Rosa Conde fazem greve de fome e nudez

Laurinda Gouveia und Rosa Conde

Laurinda Gouveia e Rosa Conde

Para além do protesto de Luaty Beirão, as duas ativistas Laurinda Gouveia e a Rosa Conde também estão em greve de fome e de nudez como confirma o advogado Zola Bambi.

"Elas estão apenas com a roupa interior. E a greve só está ser feita nas suas celas e não no espaço usado por todos os reclusos, como vinha num comunicado feito pelo Serviço Penitenciário”, garantiu o advogado.

Menezes Cassoma salienta que "a nudez tem sido uma forma com que os três, Luaty, Rosa e a Laurinda têm estado a enverdar para reclamar ou protestar uma determinada situação" e que a mesma já foi alvo de problemas e "confusões" no estabelecimento prisional feminino pois estes comportamentos não têm agradado às restantes reclusas.

Rosa e Laurinda sofreram agressões e exigem ter o mesmo tratamento que os restantes reclusos que foram transferidos para o Hospital Prisão de São Paulo. No entanto, Cassoma diz que não é possível pois trata-se de um estabelecimento eminentemente hospitalar e a única área não-hospitalar é essa onde estão os rapazes. "Atendendo ao princípio da compartimentação, não podemos ter numa mesma ala, reclusos do sexo masculino e feminino", explica.

Leia mais