1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Linhas Aéreas de Moçambique na mira de autoridades anti-corrupção

A companhia aérea moçambicana LAM foi acusada de má gestão e está agora a ser investigada por suspeitas de corrupção.

Desde a queda de uma aeronave das Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) em território namibiano, em novembro de 2013, que a transportadora tem sido criticada pela forma como trabalha.

Agora, o Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC), uma entidade estatal, está a investigar denúncias de corrupção na empresa, veiculadas pela comunicação social moçambicana.

"Estamos a trabalhar para apurar o que efetivamente está a acontecer", garantiu o porta-voz do GCCC, Bernardo Duce. "Assim que houver conclusões, elas serão tornadas públicas."

Gestão danosa

Outras das críticas apontadas às LAM são o alegado mau atendimento, guerras intestinas e problemas técnicos nos aparelhos.

"Estas práticas em que se consubstanciava esta má gestão não constituem infrações criminais, mas são condutas que contrariam os princípios da razoabilidade e boa gestão de recursos", acrescentou Duce. "Por isso, o GCCC emitiu recomendações ao Instituto de Gestão das Participações do Estado (IGEPE) para que proceda às diligências necessárias para pôr fim a esta gestão. Como sabem, a transportadora LAM é participada pelo Estado em 80 por cento."

Ouvir o áudio 02:59

Linhas Aéreas de Moçambique na mira de autoridades anti-corrupção

Entretanto, o IGEPE exonerou a administradora-delegada das Linhas Aéreas de Moçambique, Marlene Manave.

A DW África tentou, sem sucesso, ouvir a nova direção das Linhas Aéreas de Moçambique.

Desde 2011, a empresa está banida de voar no espaço europeu “por problemas de segurança”. A transportadora aérea tem tentado, sem sucesso, convencer as instâncias europeias da eficácia das medidas que tomou para resolver a situação.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados