1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Liga Guineense dos Direitos Humanos condena proibição de manifestações

Duas manifestações estavam convocadas, para este fim de semana (03 e 04.06), em Bissau. Mas foram proibidas pelo Governo.

O movimento "O Cidadão" convocou para este sábado (03.06), em Bissau, uma manifestação "para demonstrar como é que é em democracia". O movimento exige a reabertura do parlamento, bloqueado há cerca de dois anos devido às divergências entre partidos.

O grupo de cidadãos "Conscientes e Inconformados" com a crise política que se instalou no país pretendia sair à rua no domingo (04.06).

No entanto, o secretário de Estado da Ordem Pública, Francisco Djatá, proibiu as manifestações, alegando que apresentam riscos para a segurança. As organizações terão acatado a decisão. E este sábado (03.06), os guineesnses acabaram por não sair à rua.

A proibição constitui uma "flagrante tentativa de condicionar o exercício da liberdade de manifestação pacífica" aos cidadãos, denunciou, em comunicado, a Liga Guineense dos Direitos Humanos.

A Liga lembra que a lei guineense apenas refere que a polícia deve garantir a segurança das manifestações públicas, não determinando que devem ser autorizados.

Presidente da ANP rejeita sessão

Entretanto, o presidente da Assembleia Popular Nacional (ANP), Cipriano Cassamá, rejeitou, na sexta-feira (02.06), convocar uma sessão extraordinária do Parlamento.

Afrika Das Parlament vom Guinea Bissau

O Parlamento guineense está bloqueado há cerca de dois anos, devido às divergências entre os dois principais partidos, PAIGC e PRS

O pedido, solicitato pela maioria dos deputados no hemiciclo, foi rejeitado por "não se enquadrar na letra e no espírito do Acordo de Conacri", refere, em comunicado, o gabinete do presidente do Parlamento.

Os deputados tinham pedido a convocação de uma sessão extraordinária para 13 de junho, a fim de discutir e aprovar o programa de Governo.

Mas, no entender do presidente da ANP, Cipriano Cassamá, a diligência dos deputados foi uma "das manobras dilatórias" do Presidente guineense, José Mário Vaz, para "confundir a opinião pública nacional".

Crise guineense em debate na CEDEAO

A situação política na Guiné-Bissau será um dos dossiês em análise na reunião da Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), no domingo (04.06), em Monróvia, na Líbéria.

O chefe de Estado cabo-verdiano defendeu uma posição "construtiva" e "prudente" da CEDEAO em relação à crise guineense.

Jorge Carlos Fonseca

Para o Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, é essencial que haja um diálogo intraguineense para uma paz duradoura

Estima-se que a cimeira da CEDEAO deverá tomar medidas que pressionem o cumprimento do Acordo de Conacri. Sob auspícios da CEDEAO, o Acordo de Conacri prevê a formação de um Governo consensual integrado por todos os partidos representados no parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso.

"Tem de haver um esforço de todos os atores políticos, do Presidente da República, do Governo, do parlamento, dos partidos políticos e mesmo da sociedade civil guineense para encontrar mecanismos de diálogo e concertação para que o país saia dessa situação de impasse, que implica o não funcionamento pleno das instituições do Estado", afirmou o Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.

A vida política guineese está bloqueada há cerca de dois anos, depois da demissão pelo Presidente do primeiro-ministro guineense, Domingos Simões Pereira, vencedor das eleições de 2014.

Leia mais