1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Liberdade de expressão nos PALOP está ameaçada, dizem especialistas

Reunidos em seminário em Joanesburgo, jornalistas e ativistas criticam julgamento do economista moçambicano Castel-Branco e censura à imprensa angolana.

default

Oradores no seminário da Universidade de Witwatersrand em Joanesburgo: Rafael Marques (esq.), Vieira Mário (segundo à esq.) e Justine Pearce (dir.)

Jornalistas e ativistas que trabalham em ambientes repressivos em Países Africanos de Língua Portuguesa (PALOP) debateram nesta segunda-feira (07/09) sobre as ameaças à liberdade de expressão na África Austral e o uso do crime de difamação como instrumento para silenciar a imprensa. O seminário ocorreu na Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, na África do Sul.

Para Justine Pearce, pesquisador da Universidade de Cambridge, as violações à liberdade de expressão são mais patentes em Angola do que em Moçambique.

“A liberdade de expressão tem um enquadramento legal mais forte em Moçambique. Em Angola, a situação continua muito preocupante, com leis muito fracas”, afirmou.

Os palestrantes também discutiram o julgamento do economista e professor universitário moçambicano Carlos Nuno Castel-Branco, acusado de atentado à segurança do Estado, e do jornalista Fernando Mbanze, editor do jornal Mediafax, suspeito de abuso da liberdade de imprensa.

Em 2013, Castel-Branco publicou em sua conta do Facebook uma crítica ao ex-presidente Armando Guebuza, que foi reproduzida por Mbanze na imprensa. Eles foram julgados no tribunal de Maputo no último dia 31 de agosto. A sentença será proferida no dia 16 de setembro.

20 Jahre Frieden in Mosambik

O economista moçambicano Castel-Branco foi julgado por atentado à segurança do Estado por criticar o ex-presidente Armando Ghebuza no Facebook, em 2013

Para o jurista e jornalista moçambicano Tomás Vieira Mário, o veredito será um teste para a democracia.

“Castel-Branco estava a exercer o direito fundamental de participação política. Mas, por outro lado, há quem diga que ele cometeu um crime contra o Estado. Ora, são duas leis que se chocam frontalmente”, avalia. “Se prevalecer a acusação de que ele, criticando o presidente cometeu um crime contra o Estado, fica, então, ameaçada a liberdade de participação política.”

Vieira Mário refutou ainda uma ligação entre o assassinato do jornalista Paulo Machava, editor do jornal electrónico Diário de Notícias, e o caso Castel-Branco. “Paulo Machava jamais esteve associado ao movimento em prol de Castel-Branco”, disse.

Cidadãos precisam de informação

Por seu turno, o ativista angolano Rafael Marques de Morais, jornalista e defensor dos direitos humanos, argumentou que a ameaça à liberdade de expressão começa com a limitação de acesso dos cidadãos à informação.

“Por isso, é necessário que falemos sobre esse tema em Angola para além do simples fato de haver jornalistas a serem perseguidos pelo poder político ou não”, ressaltou.

Os especialistas apontaram Cabo Verde como o único país lusófono em África que respeita a liberdade de expressão.

Ouvir o áudio 02:37

Ameaças à liberdade de expressão nos PALOP

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados