1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

"Lei da Amnistia em Moçambique não foi feita de boa fé"

Especialista em políticas de violência e reconciliação critica forma como amnistia foi utilizada em Moçambique e defende que a criação de uma Comissão de Verdade "poderia resolver ódios entre a RENAMO e a FRELIMO".

default

Victor Igreja, especialista moçambicano em políticas de violência e leis de amnistia

Em Moçambique, há analistas que defendem que a falta de confiança entre a RENAMO e o Governo da FRELIMO dificulta o alcance de uma paz efetiva.

Um dos mecanismos mais utilizados para restabelecer a confiança entre as partes e promover a estabilidade política, após conflitos militares, é a amnistia. Que peso tiveram as amnistias concedidas no país? Moçambique precisa de uma Comissão de Verdade e Reconciliação?

Estas são algumas das perguntas que a DW África coloca ao especialista moçambicano em políticas de violência em África, leis de amnistia e reconciliação, Victor Igreja.

DW África: As amnistias foram um erro no caminho para alcançar a paz duradoura em Mocambique?

Ouvir o áudio 03:26

"Lei da Amnistia em Moçambique não foi feita de boa fé"

Victor Igreja (VI): Foi muito complexo. A situação da guerra civil acaba num contexto em que não houve vencedores. Nem as tropas governamentais sob o controlo da FRELIMO nem a RENAMO conseguiram ganhar a guerra. Neste contexto, a amnistia foi vista, sobretudo do lado da FRELIMO, como um mecanismo que também poderia ajudar a criar uma maior confiança entre as partes, neste caso a FRELIMO e a RENAMO.


Penso que a amnistia começa a ser um problema, na medida em que as revelações que têm sido feitas mostram que a lei da amnistia, afinal, visava apenas criar um ambiente no qual a FRELIMO poderia ganhar mais tempo para voltar a ter um controlo efetivo das Forças Armadas. Este é que é o problema. Neste caso, a amnistia foi um erro, porque não foi feita de boa fé. Ao nível dos discursos, dizia-se que a lei serviria para reforçar a reconciliação nacional, mas, por outro lado, ficou-se a saber, mais tarde, que a lei era apenas uma estratégia para a FRELIMO, sob o controlo de Joaquim Chissano, ganhar tempo para voltar a construir e controlar totalmente as Forças Armadas.

DW África: A relação entre as partes divergentes é marcada por uma desconfiança estrutural e até uma espécie de “ódio”. Como resolver este problema, que parece estar a impedir um desfecho pacífico nesta situação?

Dialog zwischen RENAMO und Regierung in Mosambik

Negociações entre as delegações do Governo de Moçambique e da RENAMO, em julho de 2014

VI: As partes têm de voltar à mesa de negociações. Mas têm de voltar de boa fé. A lei da amnistia constituiu um erro porque não foi feita de boa fé. Foi parte de uma estratégia da FRELIMO para ganhar tempo para controlar as Forças Armadas. Quando a FRELIMO começou a desmobilizar em massa os antigos soldados que vieram da RENAMO, isto contribuiu para que os ódios ficassem mais visíveis. Desde a assinatura do Acordo Geral de Paz nunca houve um desejo genuíno de uma reconciliação.


DW África: Seria necessário criar uma Comissão de Verdade para Moçambique superar os seus traumas de guerra?

VI: Muitas pessoas, hoje em dia, pensam que Moçambique precisa mesmo duma Comissão de Verdade, porque todos os métodos que já se tentaram – por via da democracia, da Constituição, do novo Parlamento – ainda não se conseguiu quebrar esta lógica de ódio e desconfiança. O único remédio que ainda não experimentamos é uma Comissão de Verdade. Concordo com aqueles que pensam que esta comissão poderia ajudar a resolver ou minimizar estes ódios mútuos.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados