1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Líder político assassinado no Burundi

Um dirigente distrital do partido no poder foi morto na capital burundesa, Bujumbura. Este é o segundo assassinato de responsáveis do CNDD-FDD no espaço de três dias. Cresce o clima de insegurança no país.

default

Barricada numa rua de Bujumbura (foto de arquivo)

Come Harerimana, líder distrital do Conselho Nacional para a Defesa da Democracia (CNDD-FDD), foi assassinado a caminho do escritório esta terça-feira (04.08). Segundo uma fonte oficial, citada pela agência de notícias Reuters, um grupo de pessoas não identificadas atingiu-o com pedras enquanto ele seguia numa motorizada. A seguir, os atacantes tiraram-no do assento e mataram-no à queima-roupa.

O clima de insegurança cresce no país. A noite de segunda-feira (03.08) ficou marcada pela violência em diversos bairros da capital burundesa, onde vários carros foram incendiados. Um oficial do exército que guardava a Rádio e Televisão Nacional do Burundi encontra-se gravemente ferido, depois de ter sido alvo de disparos esta terça-feira. Na cidade de Cibitoke, um homem foi decapitado.

Burundi Proteste Pierre Claver Mbonimpa

Ativista Pierre Mbonimpa

No domingo, o antigo chefe dos serviços secretos e aliado do Presidente Pierre Nkurunziza, o general Adolphe Nshimirimana, também foi assassinado. Um dia depois, o ativista dos direitos humanos Pierre Mbonimpa foi atacado um Bujumbura, ficando também gravemente ferido.

A filha de Mbonimpa, líder da Associação de Proteção dos Direitos Humanos, afirma que a saúde do pai está a melhorar. No entanto, pede a transferência do ativista para um hospital fora do país, dada a situação atual do Burundi. "Queríamos tirá-lo daqui, para que pudesse receber tratamento médico no estrangeiro, porque tememos pela sua segurança. Estamos a tentar obter uma autorização."

Receio de nova guerra

Para muitos analistas, a atmosfera violenta reaviva o espectro da guerra civil no Burundi. Os observadores sublinham a importância de retomar o diálogo no país, que estancou pouco antes da controversa eleição eleitoral de 21 de julho.

O Burundi está mergulhado numa crise política desde abril, quando o Presidente Pierre Nkurunziza anunciou a sua candidatura a um terceiro mandato, considerado inconstitucional pela oposição e a sociedade civil. Os protestos dos meses seguintes causaram dezenas de mortes.

Perante os últimos desenvolvimentos, a Organização das Nações Unidas, na voz do secretário-geral Ban Ki-moon, já apelou ao diálogo, pedindo às autoridades que investiguem o assassinato do general Nshimirimana e o atentado contra o ativista Mbonimpa. Também a União Europeia pediu contenção a todas as partes envolvidas na crise burundesa.

Ataques e contra-ataques?

A violência contínua faz também aumentar o medo entre os cidadãos, especialmente na capital. Ouvida pela DW África, a proprietária de uma mercearia em Bujumbura afirma que o ataque a Mbonimpa foi um ato de retaliação pela morte do general Nshimirimana: "No domingo foi morto o general, próximo do Governo. Na segunda-feira, foi ferido Pierre Mbonimpa, da sociedade civil. Ele foi um dos principais organizadores dos protestos contra o terceiro mandato do Presidente Nkurunziza. Podemos pensar que se trata de uma vingança."

Burundi vor Parlamentswahlen

Clima de insegurança no Burundi agrava-se

A Comissão Nacional dos Direitos Humanos do Burundi também já condenou os recentes acontecimentos. O diretor da organização, Jean-Baptiste Baribonekeza, pede que a escalada de violência seja travada.

"Apelamos a todos os responsáveis políticos a evitar qualquer provocação, violência ou ataques de retaliação e a incutir entre os seus apoiantes o respeito mútuo, a coabitação pacífica e o respeito pela vida a e a dignidade humana", disse Baribonekeza.

Esforços diplomáticos

Os líderes da nova comissão criada pela oposição, o Conselho Nacional para o Respeito do Acordo de Arusha e a Restauração do Estado de Direito, anunciaram que vão deslocar-se o mais brevemente possível a Kampala, para uma reunião com o Presidente do Uganda, Yoweri Mosevini, o mediador da crise no Burundi.

Ouvir o áudio 03:38

Líder político assassinado no Burundi

Entretanto, o Governo burundês nega as acusações de que rompeu unilateralmente o diálogo com a oposição.

"A porta do diálogo nunca pode fechar-se. Independentemente da forma como decorrer, o diálogo tem de prosseguir", garantiu o porta-voz governamental Willy Nyamitwe.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados