1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Kabila disse que "não prometeu nada" sobre eleições na RDC

A afirmação do Presidente congolês pode ser um retrocesso em relação ao acordo de 2016, que prevê eleições este ano.

default

Presidente da República Democrática do Congo, Joseph Kabila

"Nunca prometi nada" no que toca a eleições, disse o Presidente da República Democrática do Congo, Joseph Kabila, numa entrevista, esse sábado (03.06), em Kinshasa, a repórteres da revista semanal alemã Der Spiegel. "Quero organizar eleições o mais rapidamente possível", garantiu, contudo, Kabila.

"Queremos eleições perfeitas, não apenas eleições", acrescentou Joseph Kabila, adiantando que está em curso o processo de registo eleitoral no país.

Questionado sobre a ideia de uma possível alteração à Constituição, a fim de se poder candidatar a um terceiro mandato, Kabila disse que é "um absurdo total".

O Presidente congolês deveria ter abandonado o poder em dezembro de 2016, depois de cumpridos dois mandatos, como prevê a Constituição.

Kongo tödliche Proteste gegen Kabila (picture alliance/AP Photo/J. Bompengo)

Joseph Kabila foi alvo de violentos protestos devido à não realização de eleições (dezembro de 2016)

Contudo, Kabila recusou-se a deixar o poder, o que gerou uma onda de violência na República Democrática do Congo. Protestos violentos causaram cerca de 50 mortes, só em setembro último.

A fim de acalmar a situação, representantes da maioria e da oposição assinaram, a 31 de dezembro de 2016, sob égide da Igreja Católica, um acordo de partilha de poder que prevê a nomeação de um primeiro-ministro da oposição e a realização de eleições este ano. A declaração de Joseph Kabila pode pois pôr em causa o acordo.

Joseph Kabila assumiu a presidência do país logo após a morte do seu pai, Laurent Kabila, em 2001. Em 2006, foi eleito nas primeiras eleições livres desde a independência da República Democrática do Congo (1960), tendo sido reeleito nas eleições de 2011, marcadas por fraude.

Moïse Katumbi entrega queixa na ONU

O opositor congolês no exílio, Moïse Katumbi, apresentou queixa junto da Comissão dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas, em Genebra, contra o Governo de Joseph Kabila. O opositor afirma que foi forçado ao exílio a fim de ficar "longe da eleição presidencial".

Moise Katumbi Chapwe Kongo

Moïse Katumbi acusa o Governo congolês de o afastar das eleições

O antigo governador da região de Katanga (sudeste do país), ex-aliado de Kabila, e homem de negócios foi condenado a três anos de prisão por alegado roubo de bens a um cidadão grego. As autoridades prometeram prendê-lo assim que regresse ao país. Mas os bispos católicos apelaram ao Presidente Kabila que permita o regresso de Moïse Katumbi como um "homem livre".

No documento entregue na ONU, Moïse Katumbi denunciou prisões "arbitrárias", perseguições policiais e detenções de seus apoiantes no país.

A Comissão dos Direitos Humanos da ONU recebe, em média, cerca de 200 queixas por ano. E leva cera de três anos para anunciar uma decisão.

Leia mais