1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Jovens unidas contra assédio sexual no norte do Gana

No norte do Gana, muitas mulheres, vítimas de assédio sexual, ficam no silêncio e não denunciam os agressores devido à pressão social. Recentemente, jovens ganesas criaram grupos de auto-ajuda.

A noite cai em Tamale, a capital da região norte do Gana, e um grupo de jovens raparigas canta uma canção sobre a sua história, num círculo. Juntaram-se para discutir os problemas que as afetam - o assédio sexual é o tema que mais as ocupa.

"Nós, jovens mulheres, não estamos seguras nas nossas comunidades", diz uma adolescente, que foi vítima de assédio sexual. O agressor era um homem casado. "Ele estava a falar comigo e tentou tocar no meu peito. Por isso, virei-me e fugi."

Symbolbild Vergewaltigung sexuelle Gewalt Afrika

Muitas mulheres, vítimas de assédio sexual, são obrigadas a ficar no silêncio (foto de arquivo)

Este grupo de jovens faz parte das "Jovens Mulheres Urbanas" de Tamale, um movimento que tenta dar-lhes mais poder e protegê-las do assédio e violência sexual. Muitas não confiam em nenhum elemento do sexo masculino na sua comunidade. É o caso de uma jovem que pede para ser identificada como Memuna.

"Não confio em ninguém. Se for ter com o líder da comunidade ou qualquer outra pessoa para dizer que um membro da minha família está a tentar ter relações sexuais comigo, eles vão dizer que estou a manchar o nome da minha família e vão dizer isso aos meus pais, posso ser agredida."

Quebrar o silêncio

Este é um dilema com que muitas jovens se deparam no nordeste do Gana. Muitas vezes são silenciadas, independentemente da gravidade do assédio de que foram alvo. Agora, a organização NORSAAC (Centro de Acção para a Consciencialização do Setor Norte) está a prestar apoio a estas mulheres, com conselhos e formações.

"Com as sessões de aconselhamento, as jovens ganham a confiança necessária para falarem sobre os problemas que as afetam, especialmente em relação aos direitos sexuais", afirma a instrutora Nancy Yari, da NORSAAC.

É preciso denunciar

Na Unidade de Violência Doméstica e Apoio à Vítima da polícia de Tamale, há uma fila de pessoas à espera, com várias queixas de abusos. Mas as autoridades dizem que, desde 2009, só foram reportados à unidade cinco casos de assédio sexual.

Emmanuel Horlotu, o coordenador desta secção em Tamale, acredita que os dados oficiais pintam um cenário errado da realidade.

Ouvir o áudio 03:27

Jovens unidas contra assédio sexual no norte do Gana

"Não significa que os crimes de assédio sexual não estão a ocorrer, eles acontecem, mas as vítimas não querem apresentar queixa", diz. "Se não fazem as denúncias, a polícia não pode fazer nada."

Há duas semanas, as jovens do norte do Gana denunciaram publicamente o facto de o assédio sexual estar a ameaçar o seu potencial na escola e no trabalho. E exigem mais protecção por parte dos líderes das comunidades. A rede de Jovens Mulheres Urbanas e a NORSAAC estão a apoiá-las nesta luta.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados