1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Jovens desafiados a fiscalizar eleições em Angola

O ativista angolano Mbanza Hamza apela aos jovens para que "não se deixem enganar" pela propaganda eleitoral. O apelo foi feito num debate sobre as eleições de 2017 realizado à porta da União dos Escritores Angolanos.

Cada jovem deve "fiscalizar o voto" nas eleições deste ano, defende Mbanza Hamza, um dos 17 ativistas angolanos condenados no ano passado por crimes de atos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores.

O ativista falava esta terça-feira (24.01) à DW África à margem de uma mesa-redonda sobre "Juventude, cidadania e participação nas eleições". O debate decorreu à porta do edifício da União dos Escritores Angolanos (UEA), porque a associação cancelou a realização do evento, denunciou Walter Ferreira, o coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania (PJC), que organizou a iniciativa.

Angola Luanda - Mbanza Hamza

Ativista angolano Mbanza Hamza

Vários jovens foram impedidos de aceder a uma das salas de conferências da UEA, local onde estava previsto o debate sobre a participação da juventude angolana nas eleições de 2017. Segundo Walter Ferreira, não há "justificação plausível" para o sucedido.

"Pedimos a sala, emitimos um pagamento, mas a sala não foi cedida. Estão a coartar a nossa liberdade de participação porquê?", questiona.

O coordenador da PJC garantiu que a sua organização vai processar judicialmente a UEA por danos morais. "Há jovens que saíram de outras províncias, que com muito esforço chegaram a Luanda para trocar ideias com outros jovens", sublinha.

Boicote eleitoral?

O tema acabou por ser discutido à porta da UEA, onde os jovens apresentaram as suas ideias sobre a participação nas eleições que se avizinham. Há quem defenda o boicote das eleições, como é o caso do rapper Mbambi.

Angola Luanda - Walter Ferreira

Walter Ferreira, coordenador da PJC

"Para votarmos corretamente, devia haver educação eleitoral e os partidos políticos deviam contribuir para isso ", defende.

Segundo Mbambi, em Angola ainda se vota de acordo com as origens - étnicas e religiosas. "São problemas que devemos ultrapassar e depois exercermos corretamente o nosso direito de voto", diz.

"Não podemos esquecer que estamos numa ditadura, não há transparência, nem na família, nem no emprego e nem nas escolas. Estas são as razões que me levam a não votar e quero que todos não votem", justifica o músico.

O jovem Mário Tavares discorda da ideia de boicote ao voto que, a seu ver, não vai resolver o problema do país. "Se a sua vontade for pela mudança, acho que se deve votar. E se a sua vontade for para a manutenção de quem está no poder, acho também que se deve votar", explica.

Ouvir o áudio 02:41

Jovens desafiados a fiscalizar eleições em Angola

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados