1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Jornalista moçambicano ameaçado de morte

Com medo, John Chekwa fugiu de casa e está em parte incerta. Os seus filhos já foram espancados e raptados. O coordenador da Rádio Comunitária de Catandica é acusado de ser responsável pela derrota da FRELIMO.

É mais um caso de ameaças à liberdade de impressa e expressão em Moçambique. John Chekwa contou à DW África que homens armados alegadamente das Forças de Defesa e Segurança invadiram a sua casa, recentemente (08.12), tendo espancado dois dos seus filhos. Um outro filho terá sido raptado e libertado mais tarde noutro ponto da vila-sede de Catandica, província de Manica, centro do país.  

O filho do jornalista que foi raptado disse que na mesma viatura estavam debaixo dos bancos mais pessoas, que se supõe serem membros ou apoiantes da RENAMO (Resistência Nacional Moçambicana), o maior partido de oposição, que também teriam sido raptados no distrito de Barué.

O rapto "foi uma tentativa de acabar com a minha vida”, afirmou John Chekwa. “Falharam a missão, mas continuo a sentir-me muito ameaçado”, desabafa o jornalista moçambicano. Neste momento, Chekwa encontra-se refugiado fora da vila de Catandica temendo novos incidentes.

Tentativas de contactar a polícia no distrito de Barué foram infrutíferas. O comandante distrital da Polícia da República de Moçambique em Barué prometeu pronunciar-se oportunamente 

Karte Mosambik Chemba Portugiesisch

Mapa da região centro de Moçambique

Voz incómoda

John Chekwa, que é também agente facilitador do Mecanismo de Apoio à Sociedade Civil, não tem dúvidas sobre o que poderá estar na origem das ameaças: "Tenho certeza que isto tudo é o resultado do meu trabalho, sobretudo na defesa da causa pública, justiça social e da boa governação".

Além disso, "sou considerado responsável pela derrota do partido FRELIMO [Frente de Libertação de Moçambique] em Barué, na província de Manica”, explica o jornalista e coordenador rádio comunitária de Catandica.

Ouvir o áudio 02:05

Jornalista moçambicano ameaçado de morte

John Chekwa terá convidado para os programas da rádio pessoas bastante críticas à governação da FRELIMO. Por outro lado, a Rádio Comunitária de Catandica e o seu coordenador são acusados de terem sido os responsáveis, nos últimos três anos, pelas quedas do administrador, do secretário permanente e do primeiro secretário da FRELIMO, no distrito de Catandica. O que terá acontecido na sequência do jornalista ter denunciado, em 2013, o esquema do desvio de fundos de Estado para financiar a campanha eleitoral do partido FRELIMO. 

Assim, John Chekwa e a Rádio Comunitária de Catandica passaram a ser vistos como instrumentos da oposição. E no contexto de instabilidade político-militar, o jornalista passou a integrar a lista de alvos dos chamados "esquadrões de morte", revelou o Instituto de Comunicação Social para África Austral, MISA-Moçambique.

Entretanto, num comunicado divulgado recentemente (08.12), o MISA-Moçambique considerou que "a vandalização, roubo de bens, tortura aos filhos e ameaça de morte ao jornalista são atos graves que atentam contra o direito à liberdade de imprensa e de expressão". 

No documento, a organização pede aos órgãos governamentais e da justiça que "levem a sério, não só estes actos, como também todo o tipo de violações ou tentativas de violação da liberdade de imprensa e de expressão no país". O MISA-Moçambique apela ainda à Polícia e à Procuradoria-Geral da República que investiguem, identifiquem e responsabilizem os autores desta ameaça.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados