1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Jornais de língua alemã comentam projeto ProSavana, República Centro-Africana e morte de Mandela

A imprensa faz avaliação negativa do projeto ProSavana em Moçambique e destaca ainda as crises na Líbia e na República Centro-Africana, assim como a morte de um "herói africano".

ProSavana prejudica pequenos agricultores em Moçambique

O ProSavana é um projeto de apropriação ilegal e organizada de terrenos, um projeto que ameaça os mais elementares direitos das populações rurais em Moçambique, com destaque para o próprio direito à alimentação, escreve o jornal Neues Deutschland, na sua edição de terça-feira, 10 de dezembro de 2013.

Karte Mosambik ProSavana Projekt Portugiesisch

O ProSavana extende-se por uma enorme área, nas províncias moçambicanas de Niassa, Nampula e Zambézia

O jornal adianta: A associação dos pequenos agricultores, UNAC, critica o procedimento dos promotores do ProSavana. Esses promotores da agroindústria brasileiros, japoneses e moçambicanos, estão a preparar-se para tomar conta de uma enorme área de nada menos de 14 milhões de hectares nas províncias nortenhas de Nampula, Niassa e Zambézia. Tudo indica que os resultados serão desastrosos, pois - segundo os observadores mais atentos - o projeto poderá prejudicar os pequenos agricultores, como aliás também aconteceu no antepassado do ProSavana no Brasil.

Metrelhadoras "made in Germany" nos conflitos internacionais

Libyen Deutschland Gewehre Waffen Heckler und Koch G36

Metrelhadora alemã Heckler&Koch G36 é um caso de sucesso de exportação

"A morte que vem da Alemanha" - este é o título de outra reportagem publicada no semanário Die Zeit. O jornal questiona: Porque é que tantas armas produzidas na Alemanha aparecem em cenários de guerra, um pouco por todo o mundo, apesar das exportações de material bélico carecerem de autorização por parte do governo alemão? As metralhadoras e pistolas da firma alemã Heckler&Koch, com destaque para a G 36, são comercializadas um pouco por todo o mundo. Onde há guerra, há metrelhadoras alemãs: a Líbia é apenas um exemplo.

França não quer ser o único polícia em África


Hollande besucht Zentralafrikanische Republik 10.12.2013

Presidente francês visitou República Centro-Africana a 10 de dezembro de 2013

A França não quer desempenhar eternamente o papel de polícia no continente africano - é assim o título de um artigo publicado no jornal diário die Tageszeitung, e que se refere ao facto do governo de Paris ter decidido enviar mais 1600 soldados para a República Centro-Africana. Por outro lado - refere ainda o jornal - a França orgulha-se por ser um dos poucos países do mundo capazes de atuar, rápidamente e em força, em África. Os dividendos serão colhidos mais tarde. O continente africano poderá vir a ser novamente o eldorado dos interesses económicos franceses. Não são apenas os direitos humanos que contam.

Ouvir o áudio 03:44

Jornais de língua alemã comentam projeto ProSavana, República Centro-Africana e Mandela

O jornal Neue Zürcher Zeitung, editado na Suiça, conlui, que a intervenção militar da França na República Centro-Africana constitui também um grande risco: Na República Centro-Africana pode acontecer o que aconteceu antes na Costa do Marfim: as forças francesas correm o risco de ficarem colocadas entre as frentes beligerantes, passando a ser consideradas inimigas de todos.

Nelson Mandela não foi santo, mas "apenas" herói


Finalmente destaque para a morte de Nelson Mandela, o tema dominante ao longo da semana. O semanário der Freitag destaca a vida de Madiba, salientando que a era Mandela foi - ao mesmo tempo - a era em que África se libertou do colonialismo e se tornou independente. Quando Nelson Mandela nasceu práticamente o continente inteiro se encontrava sob o jugo dos europeus. Quando Mandela morreu as coisas já tinham mudado.

O semanário Die Zeit prefe salientar: Nelson Mandela não foi um santo, mas sim um herói. O comentador fecha com as palavras: Muitos dos objetivos de Mandela ainda não foram atingidos: nem na África do Sul, nem em África, nem no mundo. Mas com Mandela aproximámo-nos desses objetivos.

Südafrika Pretoria Aufbahrung Nelson Mandela Schlange

Sul-africanos prestam última homenagem a "Madiba"

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados