1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

João Lourenço: "Eu acho que vou ter o poder"

Na véspera das eleições em Angola, o cabeça-de-lista do MPLA chamou a imprensa estrangeira para anunciar que só tem um plano: a vitória do partido com maioria absoluta. A DW África fez algumas perguntas a João Lourenço.

Jornalistas viram um João Lourenço sóbrio, calmo, politicamente correto, que evitou críticas severas contra a oposição

Jornalistas viram um João Lourenço sóbrio, calmo, politicamente correto, que evitou críticas severas contra a oposição

Em dia de reflexão para as eleições gerais, a DW África aproveitou para perguntar a João Lourenço se irá, de facto, combater a corrupção que se instalou no país, como prometeu durante a campanha. O candidato reafirmou a sua intenção, salientando que para conseguir atrair investimento estrangeiro, Angola tem de tomar medidas fortes contra a corrupção. "As primeiras medidas devem ser de caráter preventivo, no sentido de desencorajar a prática da corrupção", disse esta terça-feira (22.08) o vice-presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), na sede do partido.

A DW África insistiu: Será que um Executivo liderado por João Lourenço iria aceitar com normalidade que um membro do MPLA fosse investigado por corrupção no estrangeiro, por exemplo em Portugal, como acontece atualmente?

"Se algum cidadão angolano estiver a ser investigado lá fora por atos de corrupção, nós não podemos interferir na justiça doutros países", respondeu o candidato, que considera que há casos em que a investigação tem um objetivo "mais político" do que propriamente criminal.

"Sempre que assim acontecer, é evidente que o Estado angolano vai reagir em defesa da sua soberania. Porque há processos lá fora que constituem uma ingerência clara nos assuntos internos do país", sublinhou.

Ouvir o áudio 03:43

João Lourenço: "Eu acho que vou ter o poder"

Interesses da família dos Santos

Em caso de vitória, será que João Lourenço vai, de facto, ter as rédeas do poder nas suas próprias mãos? Ou será que a família dos Santos vai continuar a reclamar pelo menos parte do poder?

"Eu acho que vou ter o poder. Só não teria todo o poder se houvesse dois Presidentes da República. Estas eleições vão eleger apenas um Presidente da República", respondeu o vice-presidente do MPLA perante jornalistas de órgãos franceses, norte-americanos, ingleses e alemães presentes na sede do partido no poder. 

Foi também lembrado que os angolanos vão votar num partido e não vão eleger o chefe de Estado diretamente. E que José Eduardo dos Santos vai continuar, pelo menos até 2018, presidente do MPLA.

"Em muitas democracias os chefes de Estado não são os presidentes dos seus partidos políticos, para citar apenas um exemplo: o Presidente Trump não é o Presidente do Partido Republicano", reagiu Lourenço.

"Crateras" financeiras

Outro tema abordado foi a difícil situação financeira - fala-se em buracos financeiros, verdadeiras "crateras". João Lourenço promete que um executivo angolano, liderado por si, contará com o apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (BM).

Assistir ao vídeo 01:15

O "homem do milagre económico" do MPLA

"Angola está a atravessar uma situação económica e financeira difícil, decorrente da baixa do petróleo. Vamos recorrer às instâncias existentes. Não está posta de lado a possibilidade de negociar, por exemplo, com o Banco Mundial ou com o Fundo Monetário Internacional", revelou.

Quanto a futuras mudanças nas relações internacionais, o candidato prometeu trabalhar no sentido de manter boas relações, não só diplomáticas, como de cooperação económica com todos os países disponíveis a cooperar com Angola, "sem discriminação de algum tipo".

Refugiados congoleses

Os cerca de 26.000 refugiados da República Democrática do Congo (RDC) que se encontram atualmente em centros de acolhimento no norte de Angola também foi uma questão abordada na conferência de imprensa.

"Nós já tivemos refugiados, os nossos países vizinhos acolheram-nos. Não somos ingratos. Vamos continuar a acolher os refugiados que eventualmente possam surgir", assegurou João Lourenço.

Entretanto, cerca de sete mil refugiados já regressaram voluntariamente à RDC, segundo o vice-presidente do MPLA. Desde março deste ano, milhares de congoleses fugiram da violência e das tensões étnicas na região do Kasai.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados