1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Islão em África: Um brinquedo dos sauditas?

Os sauditas constroem mesquitas, escolas religiosas, hospitais em África e concedem bolsas para estudos teológicos nos Estados do Golfo. Mas também lá há quem exporte a ideologia salafista para o continente.

default

Grande mesquita no Senegal

Há séculos, existem estreitos laços económicos e religiosos entre países árabes e africanos. Com o crescente lucro das exportações de petróleo e gás, o engajamento dos países árabes, especialmente a Arábia Saudita, na região do Sahel, aumentou.
Governos e patrocinadores privados fornecem apoio financeiro a comunidades em países como Mali, Senegal ou Nigéria. Eles fazem-no como dever religioso, porque um dos cinco pilares do Islão é o apoio aos necessitados.

Mas há condições. Assim, imames senegaleses são treinados na Arábia Saudita para pregar no seu país um Islão particularmente conservador, como explica Marabout Mouhamed Ndiay, líder espiritual de uma Irmandade islâmica sufista na capital do Senegal, Dakar.

"É uma radicalização através das palavras. Fazem discursos muito afiados em relação ao nosso Islão. Essa raiva que se acumula nessas pessoas, no momento que explodir, não irá significar algo bom para nós", diz Ndiay.

Afrika Moschee in Nouakchott Mauretanien

Mesquita África na Mauritânia

Muitos habitantes da zona do Sahel representam um sufismo místico e espiritual, que os sauditas conservadores não reconhecem como uma forma religiosa do islamismo, mas rejeitam-na como pagã e herética.

Eles próprios pregam um estilo de vida estritamente conservador como nos tempos do profeta. Grupos militantes como a Al-Shabaab, a Al-Qaeda no Magred Islâmico ou o Boko Haram referem-se a esta ideologia.

Pobreza é a porta de entrada mais fácil

Ouvir o áudio 03:15

Islão em África: Um brinquedo dos sauditas?

A falta de perspetivas e às altas taxas de desemprego facilitam o acesso dos salafistas aos jovens, diz Ndiaye. Muitas vezes, bebidas e refeições gratuitas seriam distribuídas em frente às mesquitas. Assim, a interpretação extremista do Islão por pregadores sauditas alimentou a revolta de 2012 no Mali 2012, que destruiu uma série de locais religiosos.

Mas, de acordo com o especialista em assunto da Arábia Saudita do Instituto Alemão de Estudos Globais e Regionais (GIGA), em Hamburgo, Jens Heibach, a busca por crentes não é mais o único objetivo dos sauditas em África.

Questões económicas falam alto

O reino investiu quase quatro mil milhões de dólares no continente em 2016, de acordo com o jornal Financial Times. O príncipe herdeiro Mohammed Bin Salman tenta, assim, de reformar a base económica e política no reino. Porque com o preço do petróleo a afundar, o défice orçamental do Reino está a crescer e é preciso criar outras fontes de renda. Bin Salman quer expandir a economia do país nos próximos 13 anos e defendeu, recentemente, uma liberalização do reino ultra-conservador.

König Salman Bin Abdul Aziz Al Saud und Kronprinz Mohammed Bin Salman Al Saud

Rei Salman Bin Abdul Aziz Al Saud e o príncipe Mohammed Bin Salman Al Saud

Heibach duvida, no entanto, que a anunciada liberalização retardará a radicalização progressiva em África: "O que sabemos é que a família real saudita e partes importantes do Governo tentam agir contra a promoção de organizações violentas ou terroristas também em África, uma vez que isso ameaça massivamente a segurança da dinastia".

Já Bakary Sambe, professor de Estudos Religiosos na Universidade Gaston Berger do Senegal, espera que a liberalização prometida pela Arábia Saudita tenha um efeito positivo em África. Mas não acredita, no entanto, no fim do salafismo no continente: "Temo que haja grupos na Arábia Saudita e no Senegal que opor-se-ão a essas mudança".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados