1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Isabel dos Santos: "O meu currículo fala por si"

Empresária angolana diz-se disponível para prestar esclarecimentos na Justiça sobre a sua nomeação para a Sonangol. Isabel dos Santos quebrou o silêncio sobre a providência cautelar apresentada por um grupo de advogados.

default

Milionária tomou posse como presidente do conselho de administração da petrolífera a 6 de junho

"Estou na disposição da Justiça e do meu país para responder a toda a qualquer convocação e prestar todo e qualquer esclarecimento", assegurou Isabel dos Santos em declarações à agência de notícias Lusa, na quarta-feira (09.11), em Luanda. "E se for citada, aceitarei a citação", acrescentou.

A empresária falava a propósito da providência cautelar que está a ser analisada no Tribunal Supremo, interposta em junho por um grupo de advogados, logo após a sua nomeação, pelo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, visando travar esse processo, ao abrigo da Lei da Probidade Pública, por ser filha do chefe do Estado.   

Isabel dos Santos diz que acredita na Justiça e que tem "o dever de cumprir a lei e prestar contas se estiver a agir fora da lei". Mostra-se ainda determinada em reestruturar e "levar a bom porto" a petrolífera angolana.

Descartado abandono voluntário

Em entrevista à DW África, Luís do Nascimento, um dos subscritores da providência cautelar interposta em junho, diz que não entende por que motivo a filha do chefe de Estado não foi convocada a prestar esclarecimentos.

Angola Anwalt Luís do Nascimento

Advogado Luís do Nascimento

"A engenheira Isabel dos Santos não tinha sido citada por não se encontrar no país. A lei estabelece que a citação deve ser feita à própria pessoa, mas também pode ser feita através do seu representante legal", explica o advogado.

Isabel dos Santos descarta, desde já, qualquer abandono voluntário da petrolífera angolana como cogitou a imprensa local por alegada gravidez. "É muito possível que a engenheira Isabel dos Santos aproveite o facto de se encontrar gestante para suspender as suas funções", comenta Luís do Nascimento. "Seria um bom pretexto para resolver a situação porque esta é extremamente lesiva aos interesses de Angola", argumenta.

O silêncio do Presidente

O prazo de oito dias dado pelo Tribunal Supremo para o Presidente da República contestar a providência cautelar que visa impugnar a nomeação de sua filha, por alegada violação da Lei de Probidade Pública, terminou na última sexta-feira (4.11).

Ouvir o áudio 03:20

Isabel dos Santos: "O meu currículo fala por si"

Luís do Nascimento explica as consequências do silêncio de José Eduardo dos Santos. "Não contestando esta situação, a consequência é, para os juízes, considerarem como provado o que os advogados alegaram. É considerar aquilo como provado".

Para o próximo dia 26 de novembro está prevista uma manifestação, em Luanda, para exigir a impugnação de Isabel dos Santos. Figuras como o ex-primeiro ministro Marcolino Moco, o professor universitário Fernando Macedo, a gestora Sisaltina Cutaia, o jornalista William Tonet e o ativista Luaty Beirão subscreveram a carta enviada ao Governo da província de Luanda. Luís do Nascimento apoia a iniciativa. "Considero a atitude louvável e dignificante", diz o advogado.

Quem também apoia a manifestação da sociedade civil é Isaías Samakuva, presidente da União Nacional para Independência Total de Angola (UNITA). O seu partido pondera participar no protesto. "Vamos esperar que, com este desejo manifestado, os órgãos competentes digam alguma coisa", afirma.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados