1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Investigação dos EUA às dívidas ocultas não tem influência direta sobre caso em Moçambique

Resultados da investigação do regulador financeiro dos EUA à venda dos títulos da dívida podem vir a ser úteis para as autoridades moçambicanas, reconhece o CIP. Mas a ONG frisa que a investigação do órgão é interna.

default

Barcos da Ematum, empresa que beneficiou dos polémicos empréstimos

Na semana passada, a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos da América (SEC, na sigla em inglês) anunciou que está a investigar a venda de 813,38 milhões de euros em títulos de dívida de Moçambique. O assunto está relacionado com dívidas contraidas pelas polémicas empresas Ematum, MAM e Proindicus e avalizadas pelo Estado moçambicano.

O regulador financeiro norte-americano já requereu os documentos apresentados pelos bancos que fizeram os empréstimos a essas empresas (VTB, BNP Paribas e Credit Suisse), bem como todas as comunicações sobre a venda dos títulos. Também os reguladores financeiros do Reino Unido e da Suíça inciaram uma investigação.

Sobre essas ações internacionais, a DW África conversou com Baltazar Fael, investigador do Centro de Integridade Pública (CIP), ONG moçambicana vocacionada para a transparência na administração pública, sobre o significado dessas 

DW África: Qual é o peso da investigação da Comissão de Valores Mobiliários norte-americana no caso da venda dos títulos das dívidas ligadas à Ematum, MAM e Proindicus? 

Baltazar Fael (BF): Penso que os Estados Unidos da América têm leis próprias e que extravazam o seu território. Eles conseguem deter ou tratar de casos que ultrapassam as suas fronteiras. Portanto, esta é uma investigação interna dos EUA para verificar se alguns dos seus funcionários estão envolvidos nessa questão da contração das dívidas ocultas em Moçambique. Agora, não consigo ver o peso [dessa] ação para Moçambique.

default

Baltazar Fael, investigador do Centro de Integridade Pública

A verdade é que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) foi indicada para tratar deste caso, trabalhou sobre o mesmo e produziu conclusões. Neste momento está-se a realizar uma auditoria forense por parte de uma empresa internacional, a Kroll, e são esses resultados que vão, de alguma forma, alimentar a possível abertura de um processo criminal contra as figuras envolvidas, ligadas ao Estado moçambicano.

DW África: Mas os resultados desta investigação da justiça norte-america poderão, de alguma maneira, servir a Moçambique...

BF: Sim, de alguma forma, havendo mecanismos de cooperação internacional, e estes existem, mesmo que não estejamos a falar de acordos bilaterais no âmbito internacional, mas através da Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção é possível que os Estados cooperem entre si na troca de provas e de outros indícios que possam que possam alimentar, neste caso, a ação das autoridades judiciárias moçambicanas.

default

Banco russo VTB

Neste âmbito, penso que a Procuradoria Geral da República (PGR) e o Governo moçambicano podem solicitar às entidades norte-americanas as provas que eles poderão colher na investigação deste caso. E de alguma forma servirem também para a abertura de processos cá em Moçambique contra essas figuras.

DW África: A investigação que está a ser conduzida pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA também toma em conta dados fornecidos pelos bancos que fizeram os empréstimos a essas empresas polémicas moçambicanas. Entretanto, um dos bancos, o russo VTB, disse ma última semana que foram cumpridos todos os requisitos para concessão do empréstimo. Como o CIP avalia este pronunciamento no contexto de tantas irregularidades deste caso?

BF: Em Moçambique nós temos leis próprias para a contração destes empréstimos e acredito que essas instituições bancárias também têm procedimentos próprios para concederem empréstimos ao Estado. O VTB pode ter cumprido todos os procedimentos para concdeder este empréstimo. O que se deve questionar é se o Estado moçambicano cumpriu todos os procedimentos para contrair estas dívidas, isso se considerarmos que foi o Estado moçambicano que contraiu essa dívidas junto ao VTB. Será que o Estado moçambicano, já que se diz que as dívidas são soberanas, cumpriu com todo o procedimento legal para contrair essas dívidas? O que o VTB faz não interessa aos moçambicanos, mas o que o Estado moçambicano faz é que interessa aos moçambicanos. 

Ouvir o áudio 04:54

Investigação dos EUA às dívidas ocultas não tem influência direta sobre caso em Moçambique

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados