1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Investidores de Angola regressam à Guiné-Bissau

Angola pretende investir o equivalente a mais 385 milhões de euros na exploração dos principais minérios existentes no subsolo da Guiné-Bissau. Os governantes em Bissau apostam em Angola para ajudar na retoma económica.

default

Mina de Bauxite na Repúblida da Guiné vizinha da Guiné-Bissau

A cooperação entre Luanda e Bissau ganhou um maior impulso com a tomada de posse das novas autoridades políticas guineenses. O que se aplica em especial à implantação de alguns aspectos do intercâmbio econômico no setor mineiro. É o caso da exploração de bauxite, um dos principais minérios existentes no subsolo da Guiné-Bissau.

Em entrevista à DW África Bernardo Campos, presidente da empresa Bauxite Angola, afirma que apenas se solicita às novas autoridades guineenses a garantia da estabilidade político-militar. A redução das atividades acrescentou: “Tem apenas a ver com a estabilidade que não havia. Agora sim, desenha-se um quadro de estabilidade política”. Como disse ainda Bernardo Campos, só numa situação de estabilidade política “é possível fazer investimentos de grande monta”.

Empreendimentos para servir toda a região

Müll auf den Straßen in Guinea-Bissau

A pobreza na Guiné-Bissau foi exacerbada pela crise político-militar

A empresa Bauxite Angola planeia investir na Guiné-Bissau o equivalente a mais de 385 milhões de euros no relançamento da exploração das minas de bauxite de Madina de Boé, região de Gabu, no leste do país. Bernardo Campos especifica: “Os investimentos que nós devemos fazer para o porto, caminhos de ferro, estradas e até a própria mina, poderão ser até superiores a esta cifra”.

O investidor angolano acrescenta: “Estamos a falar de investimentos intensivos que poderão alavancar a economia nacional”. Assim, por exemplo, o porto não deverá ser apenas mineiro, mas ter também um terminal comercial “para atender ás necessidades de outros países, como o Mali, um país sem saída para o mar, e também permitir a viabilidade dos projetos mineiros das proximidades” E o responsável remata: “Trata-se de empreendimentos de dimensão regional”.

Relações bilaterais remendadas

Abholzung des Waldes Guinea-Bissau

As receitas da exploração dos recursos naturais até agora não revertem a favor da população

A empresa suspendeu os trabalhos devido ao golpe de Estado de 12 de abril de 2012, que depôs o Governo do então primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior. No entanto, segundo os responsáveis, os trabalhos no terreno nunca pararam, não obstante os problemas político-militares entre os dois países. Estes culminaram na suspensão de todos os apoios que Luanda vinha dando a Guiné-Bissau, nomeadamente na reabilitação das casernas militares, processo de reforma e modernização das Forças Armadas, fortalecimento das instituições do Estado e formação dos agentes das forças policiais.

Por seu turno, Daniel Gomes, Ministro dos Recursos Naturais, disse que até finais de dezembro o país terá todos os estudos necessários feitos para passar à prática no que toca a cooperação com Angola: “Os nossos irmãos angolanos mostraram a disponibilidade, de fato, de cumprirem desta vez, e nós vamos agora e posteriormente apresentar os estudos de rentabilidade económica e impacto ambiental, para passarmos à ação. É o desejo do Governo que isso aconteça durante esta legislatura”.

Exigência de transparência dos investimentos angolanos

Ouvir o áudio 03:27

Investidores de Angola regressam à Guiné-Bissau

O ministro Daniel Gomes realça que os acordos foram fechados num “período recorde”, ilustrando a vontade das duas partes em prosseguir. Mas, desta vez, espera-se que tudo seja bem clarificado desde o início, para não criar mais desentendimentos entre os dois países. Por isso, o ministro Daniel Gomes quer uma maior transparência da parte angolana no processo: “Estaremos atentos e aconselharemos as partes para que não haja falhas, porque, de fato, o país precisa sair da situação econômica em que se encontra. Neste quadro, Angola constitui um parceiro estratégico, mas queremos que as coisas fiquem bem clarificadas”.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados