1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Imunidade provável para Grace Mugabe

Fontes próximas do Governo de Pretória afirmam que será concedida imunidade diplomática à primeira-dama do Zimbabué. Contra Grace Mugabe foi levantada queixa por agressão física em Joanesburgo.

Grace Mugabe, mulher do Presidente zimbabueano Robert Mugabe, é acusada de agredir, no domingo, 13 de agosto, uma sul-africana de 20 anos que se encontrava num quarto de hotel em Joanesburgo com dois amigos para se encontrar com um dos filhos daquela que é considerada uma potencial sucessora de Mugabe na Presidência. Harare apressou-se a pedir imunidade diplomática. Os especialistas consideram que a primeira-dama não tem esse estatuto e deve ser detida. Mas fontes em Pretória prevêm que lhe será concedida a imunidade diplomática, para evitar uma crise diplomática entre os dois países aliados tradicionais.

O Presidente nonagenário Robert Mugabe deslocou-se apressadamente ao país vizinho, dois dias antes de uma cimeira dos dirigentes da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC). A viagem foi antecipada numa aparente tentativa de atenuar a tensão diplomática causada por Grace Mugabe e resolver o problema que a mulher enfrenta na Justiça sul-africana.

Model Gabriella Engels zeigt Wunde (picture-alliance/dpa/AP/Debbie Engels)

A modelo Gabriella Ebgels exibe os ferimentos resultantes da alegada agressão por Grace Mugabe

Golpes e ferimentos

A alegada vítima, Gabriella Engels, apresentou queixa contra a primeira-dama do Zimbabué por golpes e ferimentos. A mãe, Debbie, exige que Grace Mugabe seja julgada: "Estou furiosa. Se pudesse fazer algo fisicamente para resolver esta confusão, faria. Deixo o caso nas mãos da polícia."

A polícia afirma que a investigação foi concluída e aguarda apenas instruções do Governo. As autoridades sul-africanas ainda estão a debater a questão da concessão da imunidade diplomática a Grace Mugabe, uma vez que ainda não está claro de que forma é que a primeira-dama entrou no país. Segundo a imprensa sul-africana, Grace Mugabe estaria na África do Sul para tratamento médico.

Procurada pela polícia

Na quarta-feira, o ministro da Polícia sul-africana, Fikile Mbalula, anunciou que foi emitido "um alerta vermelho": todas as fronteiras foram notificadas para impedir que Grace Mugabe saia do país até que a acusação de agressão esteja resolvida.

Ouvir o áudio 02:59

Imunidade diplomática provável para primeira-dama do Zimbabué

A Aliança Democrática, partido da oposição sul-africana, já instou o Presidente Jacob Zuma a garantir que Mugabe seja levada à Justiça. Stevens Mokgalapa, responsável pelas Relações Internacionais do partido, considera que a primeira-dama não tem direito a imunidade: "Ela entrou com um passaporte normal, não com um passaporte diplomático. Ou seja, ela não tem qualquer estatuto diplomático. Deveria ter sido acusada e detida pela polícia. A polícia não lidou corretamente com o caso e, agora, tornou-se uma crise diplomática."

Entretanto, o advogado da alegada vítima da mulher do Presidente do Zimbabué anunciou que Gabriella Engels recebeu uma proposta de pagamento em dinheiro para "arquivar o caso". Segundo Gerrie Nel, não foi avançado um montante. A família rejeitou a proposta.

Imunidade e impunidade

Gabriella Engels está a ser defendida por uma estrela dos tribunais sul-africanos: Gerrie Nel tornou-se mundialmente conhecido no âmbito do caso Oscar Pistorius. Na altura, na qualidade de procurador do Ministério Público, obteve em 2015 a condenação por homicídio do campeão paralímpico. Agora, trabalha com o AfriForum, uma organização não-governamental de defesa dos direitos humanos.

Com Robert Mugabe no país vizinho para resolver o problema da mulher, muitos consideram que a primeira-dama do Zimbabué vai conseguir regressar a casa livre de acusações. Mas o AfriForum promete lutar pelo julgamento de Grace Mugabe até às últimas instâncias judiciais.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados