1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Imprensa alemã destaca “luz no fim do túnel” na RCA

Mídia da Alemanha também discutiu o preconceito aos homossexuais no Quénia, os efeitos da greve dos mineiros na África do Sul e o clima de guerra que vive o Uganda.

O Frankfurter Allgemeine Zeitung publicou a reportagem “O risco de ser gay”, de Peter-Philipp Schmitt. A matéria aborda o fato de, durante muito tempo, no Quénia, foi subestimado o papel do quanto o sexo entre homens poderia espalhar o HIV. O Quénia é o país que começa a repensar isto.

O texto conta a história de um homem que cresceu com a ideia, compartilhada dentro de casa, de que somente as mulheres poderiam transmitir o HIV. O personagem da reportagem, por isso, tinha relacionamento sexual com homens mais velhos sem o uso do preservativo. Em troca, os adultos costumavam dar dinheiro para o então adolescente.

No entanto, o homem jamais assumiu ser homossexual e, ao mesmo tempo, nunca se sentiu à vontade para revelar para outras pessoas que é portador do HIV, “mesmo ele nunca tendo dormido com uma mulher”.

A matéria discute o fato de que os gays ainda são considerados perigosos no país e geralmente sofrem rejeição, embora o sexo entre homens parecer bastante presente na sociedade queniana. “Sexo entre homens é generalizado”, afirma o personagem da reportagem.

Solidariedade em greve

Neues Deutschland analisou o fim da greve nas minas de platina na África do Sul. Apesar dos aumentos salariais terem sido cada vez menores nos últimos anos, dois sindicatos parecem estar prontos para dividir a categoria para as próximas eleições.

“Durante cinco meses, 70 mil mineiros pararam de trabalhar, reivindicando aumento salarial. Como o fim da greve, alguns trabalhadores acabaram ficando aliviados”, escreve a matéria.

Homosexuelle Kenia Archiv 2006

Relacionamento entre homens faria parte da sociedade queniana

Os fundos de greve não suprem a necessidade dos trabalhadores que decidiram parar. Muitos dependeram de doações para alimentar a família enquanto seguiam em greve. “Mesmo depois da paralisação, a forte corrente de solidariedade entre os trabalhadores continua”, publica o jornal.

Die tageszeitung publicou a reportagem “Disputas de poder com o alerta do terror”, da correspondente Simone Schlindwein, de Campala.

Terror em Campala

O texto destaca que antes da Final da Copa do Mundo, o país está semelhante a uma zona de guerra. Alertas de ataques terroristas marcam a vida do cidadão ugandês. No entanto, o terrorismo é bastante real no oeste do país.

Schilindwein descreve o ambiente que encontrou nas ruas de Campala. Todos os dispositivos de exibição pública dos jogos do Mundial foram cancelados. A recomendação é que todos assistam aos jogos em casa.

Nesta sexta-feira (11/7), completam-se quatro anos do ataque terrorista na Final da Copa da África do Sul. A explosão causou a morte de 74 pessoas e outras 70 ficaram feridas. Forças de segurança patrulham a cidade, câmeras de vigilância foram instaladas e veículos blindados se deslocam pelas ruas.

Platinmine Rustenburg Protest

Famílias se envolvem em greve na África do Sul

Conforme a reportagem, no entanto, o grande perigo está no Oeste, onde 72 pessoas foram mortas a golpes de catana no final de semana em 13 ataques a delegacias, quartéis, banco e aos vigias do parque nacional. O que pareciam conflitos étnicos, está sendo tratado agora como ações de grupos rivais ao presidente Yoweri Museveni.

Diálogo na RCA

Além de acompanhar a epidemia do Ébola na África Ocidental, o Süddeutsche Zeitung publicou uma matéria que aponta uma esperança para a instabilidade na República Centro-Africana (RCA).

O texto destaca que, pela primeira vez, as milícias rivais concordam em estabelecer conversações de paz.

Tudo isto acontece quando as milícias muçulmanas receberam o reforço de estrangeiros do Chade e do Sudão. Os muçulmanos da Seleka e os cristãos Anti-Balaka decidiram abrir negociações para um entendimento no final de julho em Brazzaville.

Os debates preliminares estão ocorrendo há três semanas em Bangui, capital da RCA.

Ouvir o áudio 03:37

Imprensa alemã destaca “luz no fim do túnel” na RCA

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados