1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guineenses na Líbia em "situação preocupante"

O Governo da Guiné-Bissau está a tentar fazer regressar ao país centenas de cidadãos que se encontram na Líbia em "situação preocupante". Organização Internacional das Migrações pede segurança para se deslocar ao país.

Migrantes na cidade costeira de Sabratha, na Líbia

Migrantes na cidade costeira de Sabratha, na Líbia

"São centenas (que estão na Líbia), mas o controlo do fluxo é difícil. Todos os que forem identificados e localizados vamos fazer questão de os trazer de volta", afirmou o secretário de Estado das Comunidades da Guiné-Bissau, Dino Seidi.

Segundo o governante, há relatos que chegam que "são preocupantes". O Governo deu poderes ao embaixador guineense na Argélia para ser "interlocutor junto das autoridades líbias para ver se consegue resolver o assunto com a maior brevidade possível".

OIM pede segurança para se deslocar à Líbia

OIM pede segurança para se deslocar à Líbia

"A Organização Internacional das Migrações (OIM) pediu segurança para se deslocar à Líbia para ajudar os cidadãos guineenses, mas não temos condições para dar essa garantia", disse.

"Assim, pedimos ao nosso embaixador na Argélia que está a fazer diligências junto das autoridades líbias no sentido de minimizar o sofrimento dos nossos conterrâneos", acrescentou o secretário de Estado das Comunidades.

Pacto Global para a Migração

Ouvir o áudio 03:01

Guineenses na Líbia em "situação preocupante"

Dino Seidi falava à agência Lusa à margem de um encontro para debater o Pacto Global para a Migração. O evento, financiado pela União Europeia (UE), pretende recolher as perspetivas e recomendações de diversos atores para definir um quadro global de governação das migrações.

"Nós sendo um país de imigração e emigração temos enquanto Governo de criar políticas para que se faça uma imigração ordenada e segura. Ao longo dos anos, nunca se definiu uma estratégia clara sobre o que queremos, não só em relação à diáspora, como em relação aos que nos procuram", explicou o secretário de Estado.

De acordo com Dino Seidi, as consultas vão dar pistas e elementos para recomendações sobre o que é necessário fazer para melhorar a situação dos migrantes.

"Nós (Guiné-Bissau), não somos elegíveis em termos de rota de migração clássica, mas como temos uma zona insular, que não está controlada há fenómenos que nos alertam para termos políticas consistentes e por isso realizamos esta consulta", disse.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados