1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guineenses na diáspora "desiludidos" e "revoltados" com a situação no país

O conflito no seio do PAIGC tem criado uma instabilidade política na Guiné-Bissau que pode vir a provocar a queda do governo. A DW África foi perceber o que sentem os guineenses radicados em Lisboa.

default

Guineenses reunidos no centro de Lisboa

Na baixa de Lisboa, os guineenses concentram-se regularmente em pequenos grupos, nalguns pontos de referência da capital portuguesa. Alguns, sobretudo mulheres, fazem pequenos negócios, outros, homens na sua maioria, encontram-se para conversar, porque não têm o que fazer. Estão desempregados.

Os guineenses, uns mais que outros, seguem com atenção pela rádio, pela televisão e através das redes sociais o que se passa no país natal.

As últimas notícias sobre a crise no seio do histórico PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde) e as disputas políticas entre deputados no Parlamento nacional não são agradáveis, afirma Mané Arafá, guineense que reside em Lisboa: "Não é só problema do PAIGC. Cada um quer mandar mas não podemos mandar tudo de uma vez. Esta lenga-lenga na Guiné-Bissau não resulta. Isto é uma vergonha", afirma.

Guineenses revoltados e descontentes

O seu companheiro Mussá Camará também está descontente pois considera que "a situação na Guiné é lamentável. Todo o mundo sabe que a situação na Guiné-Bissau não é boa. Esse problema do dinheiro de Bruxelas não é para oferecer a alguém. É um empréstimo, e eles dão a um país que tenha estabilidade e se não tem estabilidade não dão nada". Lamenta ainda o facto de os políticos não serem capazes de se entender.

Menschen aus Guinea-Bissau in Lissabon

Guineenses radicados em Lisboa

Por outro lado, Fernando da Silva, também guineense, culpa o líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, pela crise do partido pois, segundo o mesmo "a situação está mal e Domingos não quer a estabilidade do país. Quando alguém manda e as pessoas não gostam do mandato, ele sai, mas é esse o problema. Ele não quer sair e todos os dias arranja problemas no país".

Umaro Baldé concorda com Fernando e acredita ainda que "esta crise está a afetar o país mas pode chegar ao fim a qualquer momento. Isto está a atrasar a Guiné cada vez mais", conclui.

Na "praça da tolerância", perto do Rossio, há quem negue falar à DW África e se recusa a votar nas futuras eleições, por revolta face, ao clima de instabilidade permanente que o país conhece desde 1998.

Solemane Djai, está em Lisboa há 25 anos, e é um antigo combatente que serviu o exército colonial português. Evita muitas palavras: "Não quero comentar, a situação da Guiné é muito difícil, eu sou antigo combatente e não sei nada de política", diz entre risos.

De seguida, Mané Arafá faz ainda um apelo: "O único pedido que eu posso fazer para os dirigentes da Guiné-Bissau, deputados da assembleia e governantes é que tenham um pouco de piedade para o povo guineense, porque nós já estamos cansados. Mesmo aqui na migração, como podemos voltar se os nossos políticos não se entendem? Isto é muito grave".

Para além deste apelo, Arafá, exorta as Nações Unidas a tomar medidas para garantir a estabilidade efetiva e a reposição da ordem. A clivagem no seio do maior partido político guineense está a afetar o normal funcionamento da Assembleia Nacional, pondo em causa a normalidade da ação governativa e o desenvolvimento do país.

Queda do governo?

Ouvir o áudio 03:45

Guineenses na diáspora "desiludidos" e "revoltados" com a situação no

Num tom desiludido, José Alaje Baldé, presidente do Fórum da Diáspora para o Diálogo e Desenvolvimento (FDDD) da Guiné-Bissau, manifesta preocupação depois da expetativa criada com as últimas eleições apoiadas pela comunidade internacional. "Isto são problemas internos do PAIGC que não conseguem resolver e que estão a afetar gravemente o país. A aprovação do orçamento é uma fonte fundamental do sucesso, da continuidade ou não desse próprio governo. Se o próprio país agora não consegue ter um consenso, imagine uma parte do PAIGC juntando-se à oposição. Automaticamente temos o orçamento chumbado. E o que é que isso quer dizer? Imediatamente o governo é demitido. Até quando é que podemos sair dessa coisa de demitir o governo num curto espaço de tempo?", interroga-se.

O dirigente do Fórum aproveita para lembrar que esta é mais uma lição a aprender pelo povo guineense que, no futuro, deve ser capaz de mostrar “cartão vermelho” à classe política, em consequência destas crises sistemáticas que fizeram da Guiné-Bissau um país falhado.

Nas redes sociais também está vincado o descontentamento dos guineenses na diáspora.

Contactada pela DW África, Antonieta Gomes, uma das internautas radicada em Lisboa, remete-nos para o que escreveu dizendo que acompanha com apreensão a situação no país. Teme que respostas pouco inteligentes e estratégias políticas inapropriadas possam conduzir a uma nova crise, inaceitável a todos os níveis.

A nova sessão do parlamento está marcada para esta quinta-feira (21.01) e atualmente existem duas mesas na Assembleia Nacional Popular, uma liderada por Cipriano Cassamá do PAIGC e outra por Alberto Nambeia do PRS.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados