Guiné Equatorial diz que ″golpe″ foi planeado em França | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 11.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Guiné Equatorial diz que "golpe" foi planeado em França

Alegada tentativa de golpe foi "organizada em território francês", segundo o Governo da Guiné Equatorial - mas "não tem nada a ver" com o Executivo de Paris.

default

Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang

A alegada tentativa de golpe de Estado foi engendrada "em território francês", segundo o chefe da diplomacia da Guiné Equatorial.

Agapito Mba Mokuy afirmou, esta quarta-feira (10.01), que o Governo francês nada tem a ver com o plano, frisando que a Guiné Equatorial quer "cooperar com França assim que surjam mais informações".

As relações entre a Guiné Equatorial e a França agravaram-se depois do filho de Obiang, Teodorin Obiang, ser condenado em Paris a três anos de prisão e ao pagamento de 30 milhões de euros, com pena suspensa, por desvios de fundos públicos, lavagem de dinheiro, corrupção e abuso de confiança. Teriam sido desviados mais de 180 milhões de dólares.

Äthiopien Debatte der Präsidentschaftskandidaten der Kommission der Afrikanischen Union

Agapito Mba Mokuy, chefe da diplomacia da Guiné Equatorial: "A estratégia foi organizada em território francês"

Obra de "mercenários"

O Executivo equato-guineense anunciou, em dezembro, que impediu um golpe de Estado contra o Presidente Teodoro Obiang e deteve dezenas de opositores. Segundo a Guiné Equatorial, mercenários estrangeiros planearam o golpe.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Agapito Mba Mokuy, disse que 27 "terroristas ou mercenários" foram detidos numa caça ao homem após a tentativa de golpe. Mas as autoridades estarão ainda à procura de "cerca de 150" junto à fronteira com os Camarões.

Fontes de segurança dos Camarões comunicaram que "mercenários" detidos pela polícia camaronesa eram do Chade, do Sudão e da República Centro-Africana.

Äquatorialguinea 2016 Präsidentschaftswahl

Teodoro Obiang foi reeleito com mais de 90% dos votos em 2016

Solidariedade internacional

Na terça-feira (09.01), o presidente da RCA, Faustin-Archange Touadéra, visitou a capital da Guiné Equatorial, Malabo, para oferecer seu apoio ao Governo. "Precisamos de saber se os centro-africanos que foram presos têm passaportes verdadeiros ou falsos", afirmou a Presidência em Bangui à agência de notícias AFP.

O governo da Guiné Equatorial recebeu outras mensagens e visitas de apoio. Na semana passada, o chefe da diplomacia do Chade, Mahamat Zen Cherif, afirmou que "todos os países da sub-região devem unir esforços para realizar investigações para não só entender o que aconteceu aqui, mas também para chegar à origem desta tentativa de desestabilização." Esta semana, o enviado especial das Nações Unidas, François Lonseny Fall, garantiu apoiar a Guiné Equatorial após a ameaça de "golpe".

Teodoro Obiang é o Presidente há mais tempo no poder em todo o continente africano. Os críticos acusam o Presidente de repressão, fraude eleitoral e corrupção. Obiang, que assumiu o poder a 3 de agosto de 1979, foi reeleito em 2016, com mais de 90% dos votos.

Leia mais