1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: vírus zika encontrado em amostras na ilha de Bubaque

Amostras suspeitas de serem portadoras do vírus zika foram encontradas na Guiné-Bissau. O Instituto Pasteur, no Senegal, confirmou a existência do vírus, mas considera as amostras pouco conclusivas.

Zika Moskito

O vírus zika é transmitido através da picada do mosquito Aedes aegypti, mesmo transmissor de dengue e chicungunha

Na sexta-feira (01.07), o presidente do Instituto Nacional de Saúde Pública da Guiné-Bissau (INASA), Plácido Cardoso, afirmava que três pessoas estariam infetadas com o vírus zika, na ilha de Bubaque.

No entanto, Ayigan Kossi, representante residente da Organização Mundial de Saúde (OMS) em Bissau, explica que estas amostras fazem parte de um conjunto retirado por um pesquisador de malária, que se deslocou à ilha para fazer pesquisa sobre a doença.

Durante a pesquisa, o investigador retirou algumas amostras, testadas para vírus como malária, zika e dengue. “Sob suspeitas de que algumas destas amostras pudessem ser realmente zika, fomos aconselhados a enviá-las para o laboratório do Instituto Pasteur, em Dakar (Senegal)”, explica Kossi. “Na passada sexta-feira (01.07), recebemos um relatório do instituto, onde afirmavam que, das amostras que enviámos, três davam positivo para zika.”

No entanto, estas amostras não “eram suficientes e o laboratório pediu ao Governo que enviasse mais amostras destas três pessoas, para que possam fazer testes mais completos”.

De acordo com Maria João Alves, do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), de Portugal, o vírus zika tem origem africana e duas linhagens, africana e asiática.

A investigadora explica que “a linhagem asiática tem estado mais ativa nos últimos anos, a circular e a ocupar novos espaços”. “Começou nas ilhas do Pacífico: primeiro na Micronésia, depois na Polinésia, nas Ilhas Cook, na Nova Caledónia, depois na Ilha de Páscoa e em toda a América Latina”. Foi esta linhagem do vírus que foi descoberta em Cabo Verde, em fevereiro. “A Guiné é muito próxima de Cabo Verde, portanto, também pode haver introdução da linhagem asiática” do vírus na Guiné, explica Maria João Alves.

Ouvir o áudio 03:02

Guiné-Bissau: vírus zika encontrado em amostras na ilha de Bubaque

Por enquanto, o representante da OMS diz que ainda não é possível saber qual a linhagem do vírus e que “foi por isso que pedimos ao Instituto Pasteur para que continuasse os testes, para saber que tipo de vírus está na Guiné-Bissau. Pode ser o tipo africano de zika, pode ser o importado, pode ser outro tipo”. Depois dos resultados, “que devem chegar dentro de poucos dias, veremos qual é o próximo passo”, afirma Ayigan Kossi.

“É necessária uma capacitação dos meios de diagnóstico”

O INSA, juntamente com a Direção Geral de Saúde portuguesa e o Centro de Controlo de Doenças e Prevenção (CDC) dos Estados Unidos da América, está a trabalhar num projeto de seis meses, no âmbito da Associação Internacional de Institutos Nacionais de Saúde, para capacitação do laboratório do INASA em técnicas de diagnóstico de várias doenças infecciosas, como explicou a investigadora Maria João Alves em entrevista à DW África.

Maria João Alves encontra-se envolvida, sobretudo, no lado relacionado com o diagnóstico de dengue, zika e chicungunha. “No fundo, levamos as técnicas de diagnóstico, experimentamos as técnicas de diganóstico e deixamo-las, para que haja autonomia por parte do Instituto, para o diagnóstico de zika, dengue e chicungunha”, explica.

A investigadora relembra que o vírus zika não é incomum no continente africano, mas que é importante que os serviços nacionais de saúde tenham os meios de diagnóstico apropriados, sobretudo porque há “uma novidade em relação ao vírus zika, que é a infeção congénita, que pode causar anomalias no feto se a mãe for infetada, principalmente, no primeiro trimestre da gravidez”. Por isso, é necessário um “diagnóstico atempado e é preciso haver medidas de prevenção sobretudo para as grávidas”.

Brasilien Zika Virus Mutter mit Baby Ianka Mikaelle Barbosa

Apesar de não ter sintomas ou consequências graves para um adulto, o zika pode prejudicar o feto

Não só com o vírus zika, mas também com qualquer vírus transmitido através da picada de mosquito, é necessário “envolver a população” e alertá-la para os cuidados que deve ter.

“[Usar] roupa mais tapada, utilização de repelente, evitar que haja criadouros naturais de mosquitos, como as águas acumuladas perto de casa, nos quintais, onde os mosquitos se criam e reproduzem, fazem vários ciclos e têm acesso às pessoas”, aconselha Maria João Alves. Os cuidados com a acumulação de águas e as águas paradas são essenciais, sobretudo nesta época, em que as chuvas na Guiné-Bissau se intensificam.

“No caso das grávidas, têm de estar informadas, saber que correm esse risco. Devem fazer análises, se o diagnóstico estiver disponível atempadamente, e, obviamente, evitar o contacto com o mosquito”, diz Maria João Alves. Uma das principais consequências do vírus zika para os fetos é a microcefalia, uma condição neurológica em que o tamanho da cabeça se desvia dos parâmetros médios para a idade e sexo da criança.

Para além dos cuidados que cada pessoa deve ter para evitar as picadas de mosquitos, é ainda possível a existência de campanhas a nível nacional, como “a vigilância, saber onde é que há as espécies de mosquitos, saber onde estão ou não infetadas”, acrescenta a investigadora do INSA.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados