Guiné-Bissau: Aumenta pressão para convocar novas eleições | Guiné-Bissau | DW | 19.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: Aumenta pressão para convocar novas eleições

O impasse político continua na Guiné-Bissau, com o novo primeiro-ministro incapaz de formar um novo Governo. Presidente remete-se ao silêncio.

Trinta e três dias depois de Artur Silva ser nomeado primeiro-ministro, a Guiné-Bissau continua sem um novo Governo.

Nenhuma das formações políticas com assento parlamentar, incluindo a do primeiro-ministro, o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), aceitou integrar um Executivo chefiado por Artur Silva. O PAIGC insiste na nomeação de Augusto Olivais. E, à semelhança do vencedor das últimas legislativas, os outros signatários do Acordo de Conacri, que prevê a nomeação de um primeiro-ministro de consenso, também estão contra a nomeação de Silva.

Ouvir o áudio 01:59
Ao vivo agora
01:59 mins.

Guiné-Bissau: Aumenta pressão para convocar novas eleições

Aumenta, por isso, a pressão para convocar novas eleições: "As eleições são a única via para acabarmos com esta crise política e não estas as sanções injustas e ilegítimas!", afirmou Vítor Mandinga, ministro do Comércio do Governo demissionário, em nome dos partidos que apoiam o Presidente José Mário Vaz.

"Vamos todos, nas próximas eleições, escolher líderes que construam o Estado e que consolidem a Nação", acrescentou.

Mandinga é um dos 19 visados pelas sanções da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), devido ao arrastar da crise na Guiné-Bissau.

CNE "está preparada"

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) anunciou, entretanto, que "está tecnicamente preparada" para realizar eleições legislativas dentro do calendário, se for essa a decisão do chefe de Estado guineense.

"Tecnicamente é possível realizar eleições em 2018. Como sabem, é o Presidente da República que marca a data e aguardamos a sua decisão", disse o secretário-executivo da CNE, José Pedro Sambú.

Artur Silva neuer Premierminster von Guinea-Bissau mit Präsident Jose Mario Vaz

Primeiro-ministro guineense, Artur Silva (esq.), e Presidente José Mário Vaz

As legislativas deveriam ser realizadas este ano, segundo o calendário eleitoral. Mas já se falou na possibilidade de adiamento. A 3 de janeiro, o diretor do Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral (GTAPE), Brum Namone, afirmou que "não há condições técnicas para realizar eleições dentro do calendário" devido ao estado avançado de degradação dos equipamentos de recenseamento eleitoral e a avarias. "Mais de 80% do material do recenseamento utilizado nas últimas eleições está estragado, devido à má conservação", notou.

O Presidente guineense remete-se, por enquanto, ao silêncio. O país aguarda, porém, uma decisão de José Mário Vaz: Se vai dissolver o Parlamento e convocar novas eleições ou nomear um novo primeiro-primeiro - seja Augusto Olivais, como deseja o PAIGC, ou outro dirigente.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados