1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Governo não respeita promessa de ligar Lichinga a Cuamba

Estrada que liga as duas principais cidades da província nortenha do Niassa continua por asfaltar, apesar das promessas do Governo moçambicano. As autoridades locais remetem explicações sobre o atraso para o Governo.

default

Linha férrea Lichinga - Cuamba em construção

A estrada Lichinga - Cuamba ainda constitui uma dor de cabeça para os residentes da província do Niassa, que há vários anos pedem obras para asfaltar a ligação entre as duas cidades.

No passado dia 3 de novembro, durante o ato de reinauguração da linha férrea entre as duas cidades, o Presidente da República de Moçambique, Filipe Jacinto Nyusi, garantiu, em Lichinga, que as obras começariam ainda no mês passado.

Mais uma vez, a promessa não foi concretizada. Muitos residentes, como Tomás Augusto, questionam as políticas de investimento do Governo: "Qual é o impacto da economia para a província de Niassa, por exemplo do investimento que está ser feito [na ponte] Maputo - Catembe, vão buscar o quê em Catembe? Se Niassa tem riquezas porque que não investem aqui onde há ouro?"

Justino Saíde, outro residente da região, condena o Governo por não cumprir as suas promessas e considera que a situação é alarmante para a vida de Niassa: "Falou e não aconteceu. Nós, como sempre, somos os últimos. Não sabemos se vai acontecer."

Mosambik Provinzdirektion Transport und Kommunikation Niassa

Direção dos Transportes e Comunicações da província de Niassa

Linha férrea apenas testada

Depois da reinauguração da linha férrea Lichinga - Cuamba, em novembro, a população do Niassa respirou de alívio. Mas o otimismo não durou muito tempo: o comboio circulou apenas durante duas semanas. Segundo António Mateus, diretor provincial de transportes e comunicações na província de Niassa, os primeiros comboios foram um ensaio.

A reconstrução da linha foi iniciada em 2014 pelo Corredor de Desenvolvimento do Norte, com um custo de cerca de 90 milhões de euros. O Corredor de Desenvolvimento do Norte é detido pela Sociedade de Desenvolvimento do Corredor de Nacala, com 51%, e uma participação de 49% dos Caminhos de Ferro de Moçambique, empresa pública.

O diretor provincial de transportes de Niassa, António Mateus, afirma que, em novembro, o Corredor de Desenvolvimento do Norte queria mostrar ao povo que a linha já está operacional e que o comboio voltaria a circular de forma definitiva no dia 4 de dezembro do presente ano. Mas isto não aconteceu, porque a estação de Lichinga continua vazia.

Ouvir o áudio 03:08

Governo não respeita promessa de ligar Lichinga a Cuamba

Mateus explica que "a circulação do comboio visava avaliar a consistência do equipamento no terreno para corrigir defeitos ao reclamar junto do empreiteiro, a Motagil. Então, tinha que se arranjar comboio. E em vez de andar vazio, porque a linha férrea vai servir a província de Niassa e existiam cá as carruagens de passageiros a CDN, foi usado para transportar as pessoas. Isso dá um sinal de que o comboio está presente e vai começar a andar."  

Para Justino Saíde, residente no Niassa, a paralisação da circulação do comboio em Lichinga retira todas as expetativas ao povo: "Já estavamos habituados, embora por pouco tempo, a ideia de que temos a linha e tudo mais, havia pessoas que saiam daqui no sábado para Cuamba e regressavam no domingo, aproveitavam para visitar a família e carregar coisinhas, comida que aqui está cara. Mas de repente para assim, é uma coisa que nos preocupa."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados