1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Governo moçambicano investiga causa de acidente com autocarro

Ao menos 12 pessoas morreram e dezenas tiveram ferimentos graves. Entre as vítimas fatais estava o condutor do veículo. Governo diz que excesso de velocidade por ter causado a tragédia.

Pelo menos 12 pessoas morreram e outras dezenas estão gravemente feridas após o capotamento de um autocarro na província de Inhambane, sul de Moçambique. O acidente aconteceu na Estrada Nacional 1 (EN1), na tarde deste domingo (03.09). Entre as vítimas fatais está o condutor do veículo. O Governo está a tentar reconhecer o corpo das vítimas ao mesmo tempo em que investiga as causas da tragédia.

O veículo fazia o trajeto entre a capital Maputo e a cidade de Quelimane, na província da Zambézia, no centro do país. Ao chegar ao distrito de Zavala, em Inhambane, o autocarro despistou-se devido ao rebentamento de um pneu da frente, em seguida capotou e incendiou-se. Muitos passageiros conseguiram sair do veículo sem sofrer ferimentos graves.

Orlando Zucula é um dos sobreviventes. Ele disse à reportagem da DW o que "o carro estava em alta velocidade, e então arrebentou o pneu". Ainda segundo o sobrevivente, "o motorista descontrolou-se, entrou na mata e virou o carro".

Manuel Sabão, outro sobrevivente da tragédia, viaja com destino a cidade de Quelimane e disse que foi tudo muito de repente e que não percebeu nada. "Eu subi na Macia para ir direto a Quelimane. Este acidente aconteceu de repente. Ouvi só mulheres a chorarem", relatou.

Ouvir o áudio 02:22

Governo moçambicano investiga causa de acidente com autocarro

Reconhecimento das vítimas

Segundo a porta-voz do Governo provincial, Assissa Carrimo, a causa do acidente pode ser atribuída a um erro humano. Por outro lado, acrescentou que as autoridades estão a ter dificuldades para fazer o reconhecimento de todas as vítimas na medida em que ainda continuam à espera dos familiares para efetuarem as respetivas identificações.

"Houve um erro humano ligado ao excesso de velocidade, deste acidente que resultou em 12 óbitos carbonizados e não reconhecidos ate ao momento. A dificuldade que estamos a encontrar até o momento é que não conseguimos localizar a lista de passageiros. Não esta ser fácil identificar quem são os passageiros que estavam na viatura. Estamos a continuar com os trabalhos para os identificar através de familiares".

Segundo o médico do hospital rural de Quissico, Daniel Manjate, que recebeu a maioria dos feridos, as vítimas que sofreram ferimentos já estão fora de perigo. "Na sala de observação ficamos com quatro pacientes não há necessidade de transferência todos os doentes, pois conseguimos controlar ao nível interno".

Na manhã desta segunda-feira, o governador de Inhambane, Daniel Chapo, pediu aos membros do Governo para observarem um minuto de silêncio em memória das 12 vitimas mortais.

Recentemente, a DW publicou uma matéria sobre a falta de infraestrutura da EN1, principal rodovia do país. Entre as províncias de Inhambane e Zambézia, onde se concentrou a reportagem, muitos automobilistas alertaram para o risco de acidentes naquela estrada. Em 2015, o Governo prometeu reparos, mas até agora nada aconteceu.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados