1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Governo moçambicano admite hipótese de mediação nas negociações com RENAMO

Executivo admitiu pela primeira vez a hipótese de aceitar a participação de observadores nacionais no diálogo mas rejeita a presença de mediadores internacionais, por considerá-la uma "ingerência".

A admissão da possibilidade foi feita pelo chefe da delegação governamental, José Pacheco, após o fracasso de mais uma ronda negocial com a RENAMO. O maior partido da oposição moçambicana não compareceu ao local do encontro proposto pelo Executivo, esta segunda-feira (18.11), porque estabeleceu a presença de observadores como condição para o regresso ao diálogo. A RENAMO aceitou o convite, mas fez finca-pé na sua exigência: o diálogo com vista ao fim da tensão político-militar só pode acontecer na presença de facilitadores.

Falando aos jornalistas, o chefe da delegação do Governo, José Pacheco, admitiu a possibilidade de as negociações entre as duas partes contarem com a presença de "observadores nacionais", mas rejeitou a participação de mediadores estrangeiros, defendendo que esta seria uma "ingerência nos assuntos internos do país".

Fernando Mazanga, porta-voz da RENAMO, tinha já garantido que se as suas exigências não fossem satisfeitas não haveria regresso ao diálogo esta segunda-feira. "Acho que não, porque já estamos há muito tempo nisto", começou por afirmar. "Estamos a avançar. Então, há necessidade de encontrarmos uma facilitação que permita que o diálogo - como gostam de chamar - possa fluir", explicou o porta-voz.


Mosambik Sprecher der Oppositionspartei RENAMO Fernando Mazanga 2013

Fernando Mazanga, porta-voz da RENAMO

Diálogo e confrontos não são compatíveis

Recorde-se que as rondas negociais, que ultrapassaram as 20 e sem qualquer resultado, foram interrompidas há algumas semanas, quando a RENAMO não compareceu ao encontro pelo fato de esta exigência não ter sido satisfeita. E ao mesmo tempo que isso acontecia, na região centro do país, o exército moçambicano atacava os bastiões da RENAMO na província central de Sofala. Entretanto, algumas vozes nacionais consideram que confrontos e diálogo em simultâneo não devem acontecer.


O porta-voz da RENAMO, Fernando Mazanga, partilha da mesma opinião, explicando que "os confrontos militares não são desejáveis, pelo que é forçoso que se encontre uma saída a partir do diálogo. O diálogo é que pode parar todas as hostilidades. A ausência de um diálogo sério pode originar um ruído que acaba por criar alguns desentendimentos."

Disponibilidade de Dhlakama não está confirmada

Ouvir o áudio 03:02

Governo moçambicano admite hipótese de mediação nas negociações com RENAMO

Paralelamente a este processo negocial há tentativas de facilitadores de organizarem um diálogo entre o Presidente Armando Guebuza e o líder da RENAMO, Afonso Dhlakama. No passado dia 8, Guebuza convidou Dhlakama para um encontro, mas a RENAMO exige que o exército abandone primeiro os seus bastiões. Por outro lado, o partido diz que o mesmo não pode acontecer porque não se sabe qual é o paradeiro de Afonso Dhlakama, na sequência da tomada dos seus bastiões pelo exército.

Quanto à realização deste encontro, Fernando Mazanga afirma que "é complicado para Afonso Dhlakama responder em razão da sua localização estar condicionada pelo cerco e aperto militar, porque foi corrido pelo exército das casas oficiais onde deveria estar. Foi corrido em Satunjira, foram atacar a casa dele na cidade da Beira, foram atacar a casa dos pais. Portanto, uma localização física do presidente da RENAMO é complicada, neste momento, para dizer, taxativamente, que ele estará disponível".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados