1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Governo de Moçambique sem decisão sobre futuro do subsídio ao pão

Executivo Moçambicano ainda não decidiu se continua ou não a subsidiar as panificadoras. O prazo para o efeito terminou esta terça-feira (31.01). Sem decisão, as panificadoras podem agravar o preço do pão.

Mosambik Brot Verkäufer informeller Markt (Ismael Miquidade)

Vendedor de pão em Maputo

A medida tem como objetivo evitar o aumento do preço do pão, mas o Governo ainda não decidiu se vai manter ou não os apoios às padarias. Enquanto se aguarda uma posição, o vice-ministro da Indústria e Comércio, Ragendra de Sousa, dá duas alternativas ao pão à população: "se não há pão há mandioca. Se não há mandioca há batata doce. Vamos estudar tudo isso e trazer-vos uma resposta que satisfaça.”

Porém, o preço mínimo que se pratica quer na mandioca quer na batata doce é mais caro que o pão.

"A preferência é o pão porque com uns 35 meticais posso comprar cinco pães”, refere Madalena Araújo.

A última vez que se registou uma subida do preço do pão em Moçambique foi em outubro de 2015, quando o pão de 250 gramas passou de seis meticais (0,12 euros) para 7,5 meticais (0,15 euros).

Pão não pode faltar à mesa

Os residentes não querem aumentos no preço do pão, até porque, alegam, a vida está cada vez mais cara. Andreia Vítor nota que "para ter pão é muito difícil”.

"Se tens dois filhos ou três, tens que ter dinheiro para três pães. Mas tentamos à nossa maneira. Apelo ao nosso Governo que nos ajude, pelo menos para as coisas baixarem um pouco”, acrescenta Andreia Vítor.

Luísa Augusto, vendeora, refere que não tem qualquer informação sobre o provável aumento do preço do pão. Ainda assim, afirma que este produto não pode faltar às crianças: "Já se habituaram e quando voltam da escola tomam o chá com pão”.

Padarias sem informações sobre subsídios

As padarias não receberam ainda qualquer comunicação do Governo sobre a manutenção ou não dos subsídios, atribuídos nos últimos seis anos.

Mosambik Brot (DW/R. da Silva)

Panificadores sem informações sobre subsídios

Para o padeiro Atanásio Vicente se o apoio terminar o preço do pão deverá aumentar. Ainda assim, cauteloso, diz que prefere esperar pelo anúncio do Governo.

Apesar da crise financeira que o país atravessa, Atanásio Vicente mostra-se esperançado "que tudo vai correr bem”. "O Governo não nos pode aldrabar”, acrescenta.

A esta indecisão sobre o preço do pão, acresce a escassez de farinha. Segundo Vicente Massingue, da padaria House, situada no centro da capital Maputo, o setor é também afetado pela "crise de trigo”. "Às vezes ficamos uma semana sem ter o trigo.”

Subsídios desde 2010

Ouvir o áudio 03:02

Governo de Moçambique sem decisão sobre futuro do subsídio ao pão

Os subsídios à farinha de trigo foram introduzidos depois dos violentos tumultos, em 2010, nas cidades de Maputo e Matola, em consequência do aumento dos preços do pão.

O subsídio pago aos padeiros foi inicialmente de quatro euros por cada saco de 50 quilogramas.

Entre 2010 e 2015, o Governo terá desembolsado mais de 1,7 mil milhões de meticais (mais de 35 milhões de euros) de subsídio ao preço de pão.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados