1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Governo de Luanda proíbe protesto de familiares de ativistas detidos

O Governo Provincial de Luanda proibiu um novo protesto a reivindicar a libertação dos 15 ativistas detidos. "Os nossos filhos estão sem refeição e estão a ser maltratados", disse uma das mães dos jovens à DW África.

default

Marcha de mães de ativistas a 8 de agosto

Os familiares dos 15 ativistas detidos há mais de dois meses pelas autoridades angolanas, sob alegação de planearem um golpe de Estado, anunciaram, na quarta-feira, uma vigília de protesto, a 28 de agosto, para exigir a libertação dos seus parentes detidos.

De acordo com o portal Maka Angola, um dia depois de comunicarem o plano às autoridades, o Governo Provincial de Luanda proibiu a realização da manifestação das mães, irmãs e esposas dos 15 activistas detidos, alegando que a lei determina que "os cortejos e desfiles não podem ter lugar antes das 19h00 nos dias úteis".

A manifestação foi marcada para as 15h00 de uma sexta-feira.

Fome e maus-tratos

Entretanto, os ativistas detidos protestam, fazendo greve de fome. "Os nossos filhos estão doentes. Eles estão sem refeição e estão a ser maltratados", disse à DW África Adália Chivonde, mãe do ativista Manuel Nito Alves.

Mbanza Hamza

Ativista Mbanza Hamza

"Eles não querem receber ninguém, não querem falar com ninguém, não querem comer. Estão a passar mal com fraqueza. Estão mesmo muito doentes", afirmou, desesperada, Leonor João, mãe do ativista Mbanza Hamza.

Leonor João disse que o seu filho e outros ativistas não se alimentam há quatro dias. Há ainda relatos de que há jovens com problemas visuais, por estarem confinados em celas solitárias sem contacto com o sol.

A mãe do ativista Mbanza Hamza, lamentou, por outro lado, que esteja a ser mal interpretada e vista como traidora pelos familiares de outros detidos, por ter feito declarações nos órgãos públicos angolanos, onde chegou mesmo a desmentir a brutalidade policial na

marcha de 8 de agosto

.

"Todas as mamãs estão contra mim, porque eu fui ao procurador. Não querem mais falar comigo. O que o procurador nos disse é que, ao fazer mais manifestações, só vão piorar as coisas", disse Leonor João.

28 de agosto: múltiplos protestos

Entretanto, além da vigília programada pelas mães e familiares dos detidos, o Movimento Revolucionário está a preparar outra manifestação, marcada para 28 e 29 de agosto. Segundo Laurinda Gouveia, membro do movimento, o objetivo é apelar, mais uma vez, à libertação dos jovens detidos, tal como "pedir a demissão" do Presidente José Eduardo dos Santos.

Ouvir o áudio 02:56

Governo de Luanda proíbe protesto de familiares de ativistas detidos

Para dia 28, dia do aniversário do chefe de Estado angolano, está também previsto um "buzinão" a favor "da vida, da justiça, da liberdade, da democracia" – uma campanha que consiste em buzinar e bater tampas e panelas durante 15 minutos, lançada pelo diretor do jornal Folha 8, William Tonet.

As autoridades angolanas previam para esta semana o anúncio de uma provável soltura ou formalização da queixa-crime contra os 15 ativistas detidos. No entanto, até agora, os investigadores ainda não se pronunciaram.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados