1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Governo de Angola vai poder encerrar meios de comunicação social

Esse direito consta do pacote legislativo da comunicação social, promulgado na segunda-feira (23.01) pelo Presidente José Eduardo dos Santos. O Sindicato dos Jornalistas vai levar o documento ao Tribunal Constitucional.

O pacote legislativo da comunicação social foi aprovado em agosto de 2016, com o chumbo da oposição. Durante a fase de discussão e aprovação no Parlamento angolano, as novas leis foram alvo de muitas críticas por parte da classe jornalística, por alegadamente atentarem contra a liberdade de imprensa em Angola. As leis foram promulgadas pelo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, na última segunda-feira (23.01).

Algumas propostas do Sindicato dos Jornalistas Angolanos foram tidas em conta. "A entidade competente para emitir a carteira profissional será a Comissão de Ética e não a Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERCA), como estava inicialmente previsto. A entidade competente para aprovar o código de conduta e deontologia profissional serão os jornalistas e não a ERCA", afirmou em conferência de imprensa, esta quarta-feira (25.01), Teixeira Cândido, secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos.

No entanto, muitas outras contribuições do sindicato não foram consideradas pelo Governo angolano.

Angola Teixeira Cândido

Teixeira Cândido, secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos

De uma maneira geral, Teixeira Cândido, secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos, considera que as novas normas que regulam o sector constituem um atentado à liberdade de imprensa e aos princípios de um Estado democrático.

Teixeira Cândido critica nomeadamente que "caberá ao Ministério da Comunicação Social sancionar os órgãos, podendo inclusive encerrá-los, competências essas que são dos tribunais". O sindicalista critica ainda o facto de que será da responsabilidade do Governo de Luanda fiscalizar o cumprimento das linhas editoriais.

Usurpação de competências

O secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos, Teixeira Cândido, considera que "houve, na proposta de lei, usurpação de competências". 

A usurpação de competências e outras anomalias que, alegadamente, constam do pacote poderão ser sanadas se o Tribunal Constitucional atender às preocupações que o movimento sindical vai requerer à instância judicial.

Ouvir o áudio 02:36

Governo de Angola vai poder encerrar meios de comunicação social

Teixeira Cândido acredita num desfecho favorável do diferendo. "O sindicato confia nos tribunais. E vai continuar a manter essa posição até prova em contrário. Entendemos que não se trata de uma vontade exclusiva do sindicato, mas é uma expetativa da sociedade", afirma o sindicalista. 

Mesmo assim, caso o Tribunal Constitucional não considere inconstitucionais algumas normas do pacote legislativo da comunicação social, já publicado no Diário da República, o sindicato vai solicitar a intervenção de instituições internacionais. 

"Nós somos um grupo de pressão, vamos desencadear mecanismos a nível internacional, assim como junto da União Africana e outras entidades. Estes instrumentos podem ser úteis para o Sindicato dos Jornalistas Angolanos caso o Tribunal Constitucional mantenha as disposições [do pacote legislativo] tal como estão”. 

O pacote é constituído pela Lei de Entidade Reguladora da Comunicação Social, Lei de Imprensa, Lei sobre o Exercício da Atividade de Radiodifusão, Lei Geral da Publicidade e Estatuto dos Jornalistas.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados