1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Governo da Nigéria é pressionado para avançar negociações de resgate com Boko Haram

Após divulgação de vídeo, pais das meninas sequestradas e sociedade civil apelam ao Governo e à comunidade internacional para o resgate das jovens.

default

Esther Yakubu, mãe da menina que aparece no vídeo divulgado, é consolada por uma das coordenadoras da campanha #BringBackOurGirls

O novo vídeo divulgado pelo grupo terrotista Boko Haram este domingo (14.08) provocou uma série de reações na Nigéria. Os pais das meninas e a sociedade civil pressionam o governo para avançar nas negociações com os terrotistas. O Governo, por sua vez, diz que está pronto para discutir a libertação das meninas, mas não aceita as condições impostas pelo Boko Haram.

A divulgação do vídeo causou comoção entre os pais das meninas. Yakubu Kabu reconheceu a sua filha nas imagens que assisitu. "Quando eu ouvi a sua voz, soube que era a minha filha. O nome dela é Dorcas Yakubu. Do momento que eu vi o vídeo, fiquei muito feliz porque no primeiro vídeo que divulgaram eu não a tinha visto. Mas hoje estou muito feliz porque a vi", diz Yakubu.

Apelo ao governo da Nigéria

O pai de Dorcas Yakubu tem esperanças de recuperar a filha, que desde 2014 foi sequestrada pelo Boko Haram. "Elas vão ser encontradas, porque estamos rezando para Deus". Yakubu faz um apelo ao Governo nigeriano : "Qualquer coisa que o Boko Haram queira, nós queremos que o Governo ofereça rapidamente, pois algumas das meninas sequestradas estão muito doentes".

A mãe de Dorcas também assistiu ao vídeo e criticou o Governo. De acordo com Esther Yakubu, nenhuma medida foi tomada pelas autoridades para o resgate das meninas.

Screenshot mutmaßliches Boko Haram Video

Imagem do vídeo divulgado este domingo (14.08)

"O nosso Governo não fez nada até agora. Nada, de fato, eficaz foi sequer sugerido, pois eles não fizeram nada mesmo até agora. Se as autoridades estivessem a fazer alguma coisa a respeito do sequestro dessas meninas, eles teriam conseguido resgatar ao menos uma delas. O resgate que já ocorreu de algumas meninas não têm nada a ver com o governo. Niguém do governo ou do exército as resgatou", reivindica Esther.

Além dos pais das meninas, a sociedade civil também se manifestou. Aisha Yesifu, uma das líderes da campanha #BringBackOurGirls (Tragam de Volta as Nossas Meninas), exige uma ação imediata das autoridades da Nigéria.

"Já são 853 dias desde o sequestro de nossas meninas de Chibok, e somos surpreendidos por um vídeo que relata o estado das nossas meninas. Ficamos com uma mistura de sentimentos de tristeza e esperança. Por isso, exigimos uma ação imediatamente transparente e um plano de resposta orientado pelo Governo", afirma a ativista.

Negociações e resgate

O porta-voz da presidência nigeriana, Garba Shehu, afirma que o Governo está preparado para as negociações com o Boko Haram, mas que até agora não aceita as condições impostas pelo grupo.

"O Governo está ciente da condição dessas meninas e queremos trazê-las para casa em segurança. Sem as condições impostas pelo grupo, o governo está pronto para se envolver com eles. Primeiramente, eles deveriam ser mais claros e objetivos. Quem são eles? Aonde eles estão? Como podemos encontrá-los? Assim, eu posso garantir que o Governo está pronto para negociar com eles", esclarece Shehu.

Aisha Yesifu faz um apelo para a comunidade internacional, pedindo a intervenção de todos no resgate das meninas de Chibok. Segundo a líder da campanha #BringBackOurGirls, as meninas sequestradas são "cidadãs globais" e merecem o empenho de todos os países para o resgate.

"Hoje, 28 meses desde o sequestro, chamamos os Governos dos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, França, China, Austrália, Israel, agências como a Organização das Nações Unidas e da União Africana, e todos os que já expressaram a intenção de nos apoiar, para retomar e adotar uma posição estratégica para o resgate das meninas", apela Yesifu.

Ouvir o áudio 03:34

Governo nigeriano é pressionado para negociar com Boko Haram

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados