Gilda Monjane, a mulher que ilumina as zonas rurais moçambicanas | Moçambique | DW | 16.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Gilda Monjane, a mulher que ilumina as zonas rurais moçambicanas

Levar energia também ao meio rural é o objetivo de Gilda Monjane. E não é qualquer energia: é limpa e a preço acessível. Com o seu projeto Loja de Energia Gilda Monjane também empodera as mulheres rurais.

default

Gilda Monjane, empreendedora moçambicana

Ela não tem apenas uma cabeça cheia de luzes. Os seus braços também são úteis: montam os painéis solares que vende. Claro que isso causa admiração a muitas pessoas, afinal é um trabalho ainda considerado tipicamente masculino. Mas Gilda Monjane ultrapassa esses preconceitos e está decidida a arrastar muitas outras mulheres com ela. Por causa disso já ganhou prémios internacionais. Está aqui em Bona a participar do COP 23 e aproveitamos para falar sobre a sua Loja de Energias.

DW África: Conte-nos, o que é a Loja de Energia?

Gilda Monjane (GM): Loja de Energia é um projeto que pretende levar para junto do cidadão, que precisa mesmo dessas energias limpas, energias renováveis. Porque não basta só falarmos das energias novas e renováveis se não temos o produto perto do cidadão que precisa.

DW África: Qual é a natureza da vossa loja? Estou a pensar num loja convencional, é nesse modelo clássico de vendas?

GM: A natureza da loja partiu de uma investigação para a minha tese de mestrado no meio rural, onde as pessoas não estão ligadas à rede elétrica, mas ao mesmo tempo não têm loja para comprarem a energia ou um kit solar. Então, decidi criar um modelo de distribuição em que levava a loja para o meio rural, que já oferece garantias a quem compra e oferece também a montagem e explicação. Loja é só um nome, mas pode ser uma barraca onde se vendem os kits solares.

DW África: E qual é o nível de procura e interesse?

Ouvir o áudio 12:12
Ao vivo agora
12:12 min

Loja de Energia: Um projeto de oportunidades

GM: Noto muito interesse. Algumas vezes vou para as comunidades fazer propaganda e sou obrigada a montar, porque os líderes comunitários dispensam a propaganda argumentando que já sabem o que querem. Pode notar que, por exemplo, as pessoas para recarregarem um telemóvel podem percorrer uma longa distância. E o kit solar já resolve essa questão. E o líder comunitário ajuda-me a ficar com o projeto.

DW África: E as pessoas dessas comunidades têm capacidade financeira para pagar os painéis solares?

GM: Algumas têm e outras não. Procuro adaptar um meio de pagamento ou sob forma de chitique, em que eles se ajudam uns aos outros, e há os que pagam numa única prestação. E mais recentemente surgiu a possibilidade de aceder a micro-créditos locais em que nos ajudam a fazer essa aquisição. Estou a tentar aproximar-me dos fundos de desenvolvimento local, porque acho que são uma boa oportunidade para ajudar a população a ter o kit solar.

DW África: O seu projeto tem algum tipo de apoio ou subsídio?

GM: Até este momento, infelizmente, ainda não tive nenhum apoio, a não ser o apoio do prémio SID que ganhei em 2015, no valor de cinco mil dólares. Esse valor ajudou-nos a fazer novas iniciativas para novos sub-empreendedores, porque o meu objetivo é criar uma rede de empreendedores.

DW África: As lojas estão espalhadas por que regiões do país?

GM: Por todo o país, mas há zonas que ainda não conseguimos alançar por falta de fundos. O nosso desafio é alcançar as zonas mais recônditas, onde sabemos que para a energia chegar aí vai levar mais de vinte anos. Se falamos muito em justiça climática, então faz parte oferecermos uma energia limpa. E já notamos que a EDM, Eletricidade de Moçambique, não vai conseguir alcançar todos nós.

DW África: Tem alguma relação de trabalho com as autoridades moçambicanas?

GM: Posso dizer que coordenamos as atividades com o fundo do Governo mas não temos fundos dele. Para começar, as poucas lojas que temos, fora do fundo SID Award, eu tenho trabalhado para ajudar outras mulheres a abrirem as suas pequenas lojas. E não é tarefa fácil, porque também tenho a minha família para cuidar. Tenho conhecimento noutras áreas, para além de montagem dos sistemas solares. Com o dinheiro que ganho ajudo novas mulheres a ficarem independentes. E acho que nesta questão de mudanças climáticas e energias, se não contarmos com as mulheres, não vamos conseguir vencer a batalha.

DW África: Está em Bona a participar da COP 23. O que traz para aqui?

GM: O Green Inovation Workshop. Fui convidada para vir partilhar a minha experiência. Porque para além de distribuirmos energia com kits solares estamos também focados agora na questão do bombeamento de água para a irrigação. Então, vim cá mostrar essa ideia de que podemos vencer a questão da carência de chuvas em resultado das mudanças climáticas. Este fenómeno faz com que as chuvas já não sejam regulares. E também mostra a ideia de que se pode processar alimentos com a energia solar.

DW África: E encontrou parceiros? Fez bons contactos?

GM: Os contactos estão a ser bons. E é engraçado que não corro atrás das pessoas, elas é que corem atrás de mim para poderem ir a Moçambique expandir o que estamos a fazer. 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados