1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Gâmbia: tropas da CEDEAO poderão entrar

Fontes militares confirmam que deverão entrar no país depois da meia-noite de hoje (18.01) para obrigar o Presidente cessante, Yahya Jammeh, a deixar o cargo.

Gambias Präsident Yahya Jammeh (picture-alliance/dpa/S. Zaklin)

O Presidente cessante da Gâmbia, Yahya Jammeh, não reconhece derrota eleitoral a 01 de dezembro de 2016.

As tropas da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) deverão entrar na Gâmbia depois da meia-noite de hoje (18.01) para obrigar o Presidente do país, Yahya Jammeh, a ceder o cargo ao vencedor das eleições de dezembro, indicam fontes militares locais.   

De acordo com as mesmas fontes, citadas por meios de comunicação locais, a força militar regional será formada por efetivos da Nigéria, Gana, Togo e Mali, entre outros, sob o comando do Senegal, país em que se encontra Adama Barrow, o homem que venceu as eleições presidenciais gambianas.  

Com isso, crescem as espetativas pelo mundo e na sociedade gambiana sobre o que deverá acontecer amanhã (19.01), a data prevista para que o Presidente eleito da Gâmbia assuma o cargo presidencial.

Gambianos 

Senegal Proteste gegen Yahya Jammeh in Dakar (Getty Images/AFP/Seyllou)

Protesto em Dacar, Senegal, contra o Presidente cessante da Gâmbia, Yahya Jammeh.

O correspondente da DW, Adrian Kriesch, esteve no país e juntou relatos. Muitos civis já começaram a deixar o país com medo de um conflito armado. Jovens reúnem-se clandestinamente para discutir o que pode ser feito caso o Presidente cessante da Gambia não ceda o poder amanhã, conforme previsto. 

"Eu temo pelo meu país. Gostaríamos de uma solução pacífica, mas estamos chocados", disse um membro do movimento "A Gâmbia já decidiu" (#Gambiahasdecided), ouvida pelo correspondente da DW na Gâmbia.

Segundo as agências de notícias, milhares de turistas britânicos já começaram a ser repatriados nesta quarta-feira (18.01), depois que as autoridades do Reino Unido recomendaram aos seus cidadãos que não viajassem para a Gâmbia por causa da crise interna, informou a operadora de turismo Thomas Cook.

Após terem seus pedidos negados para que o Presidente cessante cedesse o poder, três de seus ministros já renunciaram. Jammeh, por sua vez, disse ao decretar estado de emergência que respeitará os direitos civis e que "as forças de segurança agirão para garantir a paz e a segurança do povo". 

Refugiados

Apesar das declarações do Presidente cessante, o clima de incerteza no país anglófono, com cerca de dois milhões de habitantes, já levou milhares a fugirem em direção ao Senegal (único país com que tem fronteiras) e mais à diante, para a Guiné-Bissau.

Ouvir o áudio 03:04

Gâmbia: tropas da CEDEAO poderão entrar

À DW, a porta-voz da agência das Nações Unidas (ONU) para Refugiados no Senegal, Helene Caux, diz que não ter números específicos sobre quantos refugiados cruzaram a fronteira saindo da Gâmbia, "mas estima-se algo em torno de 5 mil pessoas, das quais muitas crianças acompanhadas por mulheres".

Já o seu opositor, Adama Barrow, assegurou em mensagem dirigida aos gambianos (17.01), desde Dacar, no Senegal, onde se refugiou momentaneamente por razões de segurança, que faria seu juramento na próxima quinta-feira, 19 de janeiro, em solo gambiano, conforme a Constituição e as leis do país.

  

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados