Fundo Soberano de Angola não foi feito para crises do petróleo, diz economista | Angola | DW | 22.01.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Fundo Soberano de Angola não foi feito para crises do petróleo, diz economista

O economista Filomeno Vieira Lopes diz que o fundo devia ser capaz de ajudar a atenuar a atual crise, motivada pela baixa do preço do petróleo a nível mundial. Mas o fundo não está talhado para isso – um "erro grave".

O Fundo Soberano de Angola irá, ou não, ajudar a enfrentar a atual crise motivada pela queda do preço do petróleo no mercado internacional? É provável que não, mas devia fazê-lo, diz o economista Filomeno Vieira Lopes.

Segundo o quadro sénior da petrolífera angolana Sonangol e dirigente do partido extra-parlamentar Bloco Democrático, o fundo foi, sobretudo, concebido para fazer investimentos e não para enfrentar as flutuações nos preços das matérias-primas.

"O Fundo Soberano de Angola não foi constituído para desempenhar o papel de fundo de estabilização, algo que foi um erro grave da política económica, que não acautelou o futuro", afirma Vieira Lopes. "Mas o fundo é constantemente alimentado e pode até canalizar algumas receitas para acautelar certas situações, que podem ser muito dolorosas para o povo."

José Filomeno dos Santos

José Filomeno dos Santos, presidente do Fundo Soberano de Angola

A crise do petróleo obrigou o Governo angolano a reduzir as despesas públicas e a cancelar projetos educacionais e habitacionais.

Investimentos do fundo

Desde a sua criação, em março de 2011, o Fundo Soberano de Angola tem investido em diversos países da África subsaariana e na Europa, nos setores das infraestruturas, energia e hotelaria.

Recentemente, José Filomeno dos Santos, presidente do fundo e filho do Presidente angolano, anunciou que aquela instituição iria alocar 1,1 mil milhões de dólares (cerca de 880 milhões de euros) para investimentos em energia, transportes e outras infraestruturas. 500 milhões de dólares (401 milhões de euros) seriam disponibilizados para um outro fundo, destinado a investimentos na hotelaria e em projetos ambientais.

O anúncio do presidente do fundo surge num momento em que o país enfrenta problemas financeiros sérios. Será possível suspender alguns dos investimentos projetados para acudir à crise atual?

Mais uma vez, Filomeno Vieira Lopes diz que é pouco provável que isso aconteça. "Se forem investimentos muito importantes, fica um pouco difícil recuar", refere o economista. Ainda assim, "aparentemente, nem todo o Fundo está a ser utilizado, pelas contas que nos são transmitidas."

Ouvir o áudio 03:34

Fundo Soberano de Angola não foi feito para crises do petróleo, diz economista

Sucessor de José Eduardo dos Santos?

Outro dos motivos para o ceticismo de Vieira Lopes prende-se com a própria génese do fundo. Na perspetiva do dirigente do Bloco Democrático, a instituição foi desenhada para que o filho do Presidente angolano disponha de um instrumento para poder ganhar influência em África e no mundo, tendo já em vista a substituição, no futuro, de José Eduardo dos Santos.

"Esta é uma das hipóteses muito fortes que se coloca", diz Filomeno Vieira Lopes. "Estas coisas não se fazem por meras imposições. Fazem-se com atitudes práticas."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados