1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Funcionários públicos com salários em atraso em Angola

Os atrasos salariais atingem principalmente professores, médicos e enfermeiros. Profissionais ainda não receberam os meses de janeiro e fevereiro. Autoridades alegam que os atrasos se devem a “problemas informáticos".

O Governo angolano está a ter dificuldade em pagar os salários dos funcionários públicos, principalmente dos setores da Educação e da Saúde, que são as áreas com mais trabalhadores. Os salários referentes aos meses de janeiro e de fevereiro ainda não foram pagos.

Na província de Benguela, por exemplo, o mês de fevereiro está ser pago a conta-gotas, não tendo muitos trabalhadores recebido ainda os ordenados referentes ao primeiro mês do ano. Esta é uma situação que está a gerar descontentamento. À DW África, Domingos Cachine, enfermeiro e um dos visados, explica que o atraso nos salários tem como consequência, entre outros, a "criação de dívidas”, o que faz com que, acrescenta o enfermeiro, "quando recebemos o salário”, "voltemos novamente a ter dificuldades”. Para Domingos Cachine,  a solução para este problema passa pela "mudança do Governo”.

Ouvir o áudio 03:07

Funcionários públicos com salários em atraso em Angola

Governo diz tratar-se de "problema informático"

Numa entrevista à rádio pública local, na semana passada, o diretor da Educação na província de Benguela, Samuel Maleze, minimizou o assunto, tendo afirmado que os atrasos salariais se devem essencialmente aos novos moldes de pagamento adotados pelo Ministério das Finanças. Segundo este responsável, trata-se apenas de um "problema de operacionalidade do Ministério das Finanças”, que está a proceder à transferência dos funcionários para as unidades orgânicas”. "Antes, o pagamento de salário era feito por uma única unidade orgânica, era uma única folha para muitos funcionários, mas neste momento o Ministério das Finanças está a pôr os funcionários por unidade orgânica. Estamos a colocar os professores por escola, o que leva a que haja um embaraço dentro da plataforma informática, mas a situação está ser resolvida", garante o diretor.

CASA-CE critica

O atraso nos salários dos funcionários públicos é uma realidade recorrente desde que despoletou a crise económica e financeira no país, derivada essencialmente da baixa do preço do petróleo no mercado internacional.

Francisco Viena, CASA-CE (DW/N. Sul d'Angola)

Francisco Viena, secretário da CASA-CE

Chamado a comentar o assunto, Francisco Viena, secretário da CASA-CE, a terceira força política parlamentar, afirma que as autoridades estão a "agir de má-fé”, pretendendo "transformar o Estado num agente bandido”.

"Estamos a falar do salário porque o salário é uma componente legal do rendimento nacional. Parece-nos que o Governo pensa que está a fazer algum favor aos funcionários públicos. Não! É um direito que lhes é assistido em função da relação laboral que mantêm com o Estado”, dá conta o responsável, acrescentando que "o que nos parece é que as autoridades que desempenham funções públicas têm estado a arrastar o Estado para a condição de caloteiro. Não pode ser assim. Querem arrastar o Estado para uma condição de um Estado bandido”.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados