Força do G5 Sahel pronta para iniciar operações | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 13.05.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Força do G5 Sahel pronta para iniciar operações

Nova força de cinco nações está pronta para atacar os jihadistas na região do Sahel, no noroeste de África, disse o ministro da Defesa do Níger, este domingo (13.05).

Mali G5-Staaten planen neue Eingreiftruppe in der Sahelzone (picture alliance/B. Pedersen)

Soldados franceses em Gao, no Mali (2016)

A força antiterrorista do G5 Sahel visa combater grupos extremistas armados que realizaram ataques mortais em toda a região.

Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia e Níger concordaram, no ano passado, em estabelecer a força de 5.000 homens.
Eles operarão ao lado das 4.000 tropas francesas que se deslocaram para o Mali em 2013 e da MINUSMA, a operação de paz da ONU no Mali, que conta com 12 mil capacetes azuis - já mobilizadas na região ao longo da borda sul do deserto do Saara.

 Niger - Von der Leyen und Kalla Moutari (Zuschnitt) (picture-alliance/dpa/B. Pedersen)

Kalla Moutari, ministro da Defesa do Níger

"Estamos prontos para lanças operações no sentido de que todas as forças que compõem o G5 Sahel estão instaladas", disse o ministro Kalla Moutari, em Ouagadougou.

Os ministros da Defesa dos cinco países reuniram-se na capital do Burkina Faso para finalizar formalmente os passos para laçar a força.

"Colocamos em prática os documentos legais que governam as operações dessa força em nossos territórios", disse Moutari.

"Agora é apenas uma questão de tempo, que dependerá da discrição dos líderes militares", acrescentou.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu, na semana passada, aos países do G5 que acelerem a implantação.

A força do Sahel foi projetada para funcionar plenamente em março, mas esse prazo foi perdido, principalmente por causa de problemas com treinamento e equipamento, disse ele em um relatório ao Conselho de Segurança da ONU.

Leia mais