1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

"Foi um grande choque", lembra órfã do acidente que matou Samora Machel

Passaram 28 anos desde o acidente aéreo de Mbuzine, na fronteira entre Moçambique e a África do Sul. Mas há muitas dúvidas que persistem. Uma órfã do desastre falou à DW África.

default

Estátua de Samora Machel em Chimoio

28 anos depois, ainda há muitas dúvidas sobre o que provocou o acidente que matou o primeiro Presidente de Moçambique, Samora Machel, além de outros 33 passageiros que seguiam a bordo do avião russo que efetuava o percurso entre Lusaka (Zâmbia) e Maputo (Moçambique). Falou-se na possibilidade de negligência por parte da tripulação do Tupolev, acusou-se também o antigo regime de segregação racial na África do Sul, o apartheid, de ter desviado a aeronave a 19 de outubro de 1986. Mas certezas não há.

Muchimba Sikumba-Dils, especialista em matérias do género e da água na Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) conta à DW África que o acidente mudou, para sempre, a sua vida.

DDR Afrika Erich Honecker mit Besuch aus Mosakbik

Samora Machel recebe em visita a Maputo Erich Honecker, Presidente da RDA (dezembro de 1980)

"O meu pai, Cox Sikumba, na altura embaixador da Zâmbia em Moçambique, foi uma das vítimas mortais no acidente. A notícia foi para mim um grande choque", lembra Sikumba-Dils. "Estava em plena festa da minha graduação e a preparar-me para fazer um mestrado quando recebi a notícia. Claro que não consegui continuar os estudos porque estes eram suportados pelo meu pai. Tive de pôr de lado a ideia do mestrado."

Dor uniu famílias

Para Sikumba-Dils, a dor comum criou uma espécie de familiariadade entre as pessoas que perderam os seus familiares.

"Temos grandes amizades com a família Machel. Para mim, são os meus irmãos e os nossos contactos são permanentes. Sempre que preciso deles estão lá para me ajudar”, destaca Sikumba-Dils que após o acidente passou a viver em Moçambique, onde foi adoptada no seio da família de Samora Machel.

Ouvir o áudio 02:34

"Foi um grande choque", lembra órfã do acidente que matou Samora Machel

Sikumba-Dils continua à espera de respostas, como muitos outras pessoas. Depois do surgimento de novas provas em torno do acidente de Mbuzine, que incluem fotos, documentos e gravações de voz, o Presidente sul-africano, Jacob Zuma, ordenou em 2012 a reabertura das investigações para o apuramento dos responsáveis pela morte de Samora Machel e dos outros 33 ocupantes do avião.

Até aqui, nada foi dito acerca destas investigações. Enquanto se desconhecem os autores do desastre, os orfãos já cresceram, como nos diz Muchimba Sikumba-Dils.

"Já somos todos adultos. Mesmo aqueles que eram bébés na altura do acidente hoje são homens e mulheres de 27 e 28 anos de idade. E nós que já temos cinquenta e tais já somos mamãs e avós. Mas a vida continua."

O acidente que matou Samora Machel

Samora Machel, primeiro Presidente de Moçambique independente, morreu a 19 de outubro de 1986, quando o avião em que viajava se despenhou na zona montanhosa de Mbuzine, território sul-africano, a escassos metros da fronteira de Moçambique.

Nas celebrações de mais um aniversário sobre a data fatídica, a localidade acolheu este ano menos pessoas do que em anos anteriores pelo facto de as autoridades sul-africanas terem exigido passaporte aos moçambicanos que residem na zona fronteiriça entre os dois países.

Recorde-se que o Governo moçambicano responsabilizou o então regime do "apartheid" pelo desastre, que, por sua vez, atribuía sempre a queda do avião a erros da tripulação russa que comandava o aparelho, nunca tendo aberto uma nova investigação do caso.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados