1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

FMI alerta que Moçambique precisa de fazer mais

Alto funcionário do Fundo Monetário Internacional saudou medidas de Moçambique face à crise económico-financeira. Mas FMI quer ver resultados de auditoria a dívidas ocultas e progressos na discussão com credores.

David Owen saúda os passos dados por Moçambique nos últimos meses após a divulgação de dívidas ocultas, garantidas pelo Estado, na ordem dos dois mil milhões de dólares.

"A política macroeconómica e a política fiscal têm estado a ficar mais consistentes", avaliou o diretor adjunto do Fundo Monetário Internacional (FMI) para África, de visita a Maputo.

As medidas incluem a contratação de um auditor externo para investigar as dívidas contraídas pela Empresa Moçambicana de Atum (EMATUM), pela Mozambique Asset Management (MAM) e pela Proindicus, e a renegociação dos empréstimos com os credores.

"O sistema já está a dar uma resposta a estas mudanças", afirmou Owen na segunda-feira (14.11) no final de uma audiência com o primeiro-ministro, Carlos Agostinho do Rosário.

Schiffe von EMATUM in Mosambik

Barcos da EMATUM - Dívidas escondidas, garantidas pelo Estado moçambicano, ascendem a dois mil milhões de dólares

O alto funcionário disse, porém, que o FMI aguarda os resultados da auditoria "cujo processo esperamos que seja bastante rápido, em 90 dias".

Além disso, o Fundo precisa ainda de "ver progressos na discussão com os credores sobre as dívidas ocultas de Moçambique, para que o pagamento da dívida seja sustentável."

Owen escusou-se a tecer comentários quanto ao anúncio de um grupo de credores que só vai aceitar uma reestruturação da dívida depois de concluída a auditoria. O FMI não se envolve diretamente nas discussões entre os credores e o Governo moçambicano, explicou.

Mas será que Moçambique conseguirá pagar uma prestação da dívida prevista para janeiro, de 60 milhões de dólares? Para o diretor adjunto do departamento africano do FMI, o facto de Moçambique estar a negociar as dívidas mostra que Maputo tem consciência de que tem um compromisso, com prazos e limitações.

FMI: É preciso fazer mais

Quanto às medidas em curso para a ultrapassar a crise económico-financeira, David Owen afirmou que o país não pode baixar os braços.

"Em 2017, nós precisamos de ver mantidas fortes políticas macroeconómicas", disse. "Um assunto a que teremos de prestar maior atenção é a necessidade de proteger os setores da sociedade mais afetados dos efeitos das medidas de ajustamento fiscal."

Ouvir o áudio 02:30

FMI alerta que Moçambique precisa de fazer mais

Esta é a primeira visita de um alto funcionário do FMI a Moçambique desde a descoberta, em abril, de dívidas ocultas, que levaram à suspensão da ajuda ao país pelo organismo financeiro e pelos credores internacionais até à realização de uma auditoria internacional.

Moçambique recebeu, desde então, duas missões técnicas do FMI e espera-se que mais uma equipa visite o país no início de dezembro para avaliar o estado do sistema financeiro.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados