1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Filipe Nyusi diz que RENAMO ameaça ideais de Samora Machel

Presidente de Moçambique fez as declarações esta quarta-feira (19.10), durante cerimónia de homenagem ao primeiro chefe de Estado moçambicano, falecido há 30 anos. A viúva Graça Machel pediu o "calar das armas" no país.

Mosambik - Maputo (Getty Images)

Praça dos Heróis, em Maputo

A Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) está a ameaçar a paz por que lutou Samora Machel. Esta foi a declaração do Presidente moçambicano Filipe Nyusi, em Maputo, durante a cerimónia em memória do primeiro chefe de Estado do país, falecido a 19 de outubro de 1986 num acidente aéreo na África do Sul.

Nyusi fez um apelo ao principal partido da oposição moçambicana, pedindo que o partido siga o exemplo de Machel e lute pela paz. "Queremos aproveitar esta ocasião para apelar à RENAMO para que, tal como no passado, mostremos que não há barreiras intransponíveis quando colocamos os interesses do povo moçambicano acima de tudo. Essa foi a lição de Samora", disse Filipe Nyusi, na praça dos Heróis, onde está sepultado o primeiro Presidente de Moçambique.

Mosambik Präsident Filipe Nyusi

Filipe Nyusi

"A paz por que tanto lutou Machel está ameaçada pelas ações da RENAMO", disse Nyusi, acrescentando que "uma paz total e definitiva" será uma vitória sem dono, "porque pertencerá a todos por igual".

"Justiça ainda deve ser feita"

Aos familiares das vítimas da tragédia de Mbuzini, localidade na África do Sul onde se despenhou o avião presidencial, matando Machel e outras 34 pessoas da sua comitiva, Nyusi disse partilhar uma dor que se agudiza por a verdade nunca ter sido esclarecida.

"A justiça ainda deve ser feita, um direito que vos assiste como parentes dos mártires de Mbuzini e que assiste igualmente a todo o povo moçambicano", declarou, numa alusão às investigações inconclusivas da queda da aeronave Tupolev 134 em que viajava Machel e que as autoridades moçambicanas atribuem ao antigo regime do "apartheid".

O Preseidente da República lembrou ainda o empenho do primeiro de Samora Machel nas lutas dos países vizinhos contra "a dominação estrangeira e regimes ditatoriais", quando Moçambique enfrentava uma situação económica difícil e dava os primeiros passos para se afastar da herança colonial, referindo-se ao "apartheid" e à "desumanidade de um racismo convertido em política de Estado" e ao regime "ilegal e minoritário" da Rodésia de Ian Smith, atual Zimbabué.

Paz em Moçambique

Madame Graça Machel

Graça Machel

A viúva de Samora Machel, Graça Machel, também participou na cerimónia em Maputo e afirmou que o fim do conflitos militares no país seria uma forma de honrar a memória do primeiro Presidente de Moçambique.

Graça Machel também apontou a luta contra o tribalismo e o nepotismo e a entrega ao trabalho e à educação como formas de honrar a memória de Samora Machel.

"Em solidariedade com todas as viúvas e mães deste país queremos dizer: calem as amas de uma vez por todas, acabe o conflito neste país", disse Graça Machel.

As mães e viúvas das vítimas da tragédia de Mbuzini, prosseguiu Graça Machel, sentiram a dor da perda dos seus familiares e não desejam esse sentimento a outros moçambicanos, que estão sob ameaça da violência militar no centro e norte do país.

"Nós sabemos e vivemos com essa dor e não queremos mais ninguém, dia após dia, a viver aquilo que nós vivemos. Os nossos netos não sabem o que é o colo dos seus avós. Isto tem de acabar, esta família moçambicana tem de saber abraçar-se", afirmou.

Ideais de Samora Machel

Em memória do primeiro chefe de Estado de Moçambique, o ex-presidente moçambicano Armando Guebuza disse à imprensa que os moçambicanos devem inspirar-se nos ideais do primeiro de Samora Machel para ultrapassar a difícil conjuntura que o país atravessa.    

"Os ideais dele [Samora Machel] devem permanecer como instrumento para fazer face aos desafios que temos", considerou Guebuza, chefe de Estado durante dez anos até janeiro de 2015.

Segundo Armando Guebuza, os fundamentos que orientaram o primeiro Presidente de Moçambique permanecem úteis para o país. "As ideias são como uma linha que nos ajuda a encontrar o itinerário que temos de percorrer".

 

 

Leia mais