Filipe Nyusi diz que estado da nação moçambicana ″é desafiante, mas encorajador″ | Moçambique | DW | 20.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Filipe Nyusi diz que estado da nação moçambicana "é desafiante, mas encorajador"

No discurso sobre o estado da nação, Presidente moçambicano Filipe Nyusi realça como um dos principais ganhos em 2017 o cumprimento da trégua que vigora desde dezembro de 2016. Discurso não convence oposição.

O estado geral da nação "é desafiante, mas encorajador". Foi assim que o chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi,  classificou a situação em que se encontra o país.

No seu tradicional informe à nação, o Presidente Filipe Nyusi destacou esta quarta-feira (20.12.) os esforços do Governo para a pacificação de Moçambique. Segundo ele a paz e a democracia no país devem contar com o contributo de todos os moçambicanos.

"Os desafios são enormes e não se colocam apenas ao Governo mas a cada um nós. A preservação da paz,  a democracia e o desenvolvimento económico dependem do contributo de cada cidadão."

Trégua desde dezembro de 2016

Mosambik Treffen Nyusi und Dhlakama in Gorongosa (Presidencia da Republica de Mocambique)

Encontro entre Nyusi e Dhlakama (dir.) na Gorongosa (06.08.2017)

No discurso de quase duas horas, Filipe Nyusi realçou como um dos principais ganhos em 2017 o cumprimento da trégua que vigora desde dezembro de 2016 nos confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança (FDS) moçambicanas e o braço armado da RENAMO (Resistência Nacional Moçambicana), principal partido da oposição.

Para Nyusi, "Moçambique vive hoje um clima de estabilidade, pois conseguimos devolver o sossego, a paz e a harmonia à família moçambicana". Num futuro próximo, prosseguiu Filipe Nyusi, os moçambicanos irão testemunhar consensos duradouros nas negociações entre o Governo e a RENAMO, visando a harmonia e a paz efetiva e definitiva.

O Presidente moçambicano salientou ainda que as duas partes estão a negociar um pacote legislativo sobre a descentralização do país, a ser submetido à Assembleia da República, e a desmobilização do braço armado da RENAMO e sua integração nas FDS.

Estabilização da economia

O Chefe de Estado moçambicano, que é também chefe do Governo, congratulou-se com o facto de, em 2017, o executivo ter conseguido estabilizar a economia, depois de em 2016 o Produto Interno Bruto (PIB) ter registado o crescimento mais baixo dos últimos 10 anos, com uma taxa de 3,8%.

Mosambik – Zuschuss für Essen für Rentner (DW)

"A retomada da estabilidade macroeconómica era uma premissa fundamental para conferir uma maior previsibilidade e confiança aos agentes económicos e para a retoma do IDE", frisou Filipe Nyusi.

Apesar das restrições orçamentais devido à fragilidade da economia, Filipe Nyusi disse que o executivo manteve a aposta no investimento social e com impacto no combate à pobreza, canalizando recursos para a saúde, educação, agricultura, energia e infraestruturas.

"Os moçambicanos mostraram que são resilientes, apesar de tudo, não desistem, enfrentam as adversidades", frisou, Filipe Nyusi, muitas vezes aplaudido pela bancada da FRELIMO, partido no poder.

"Medíocre e superficial"

O discurso do Presidente Filipe Nyusi no Parlamento moçambicano não convenceu as bancadas da oposição.

A RENAMO, principal partido da oposição em Moçambique, e o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro maior partido, consideraram "medíocre e superficial" a informação anual do chefe de Estado sobre o estado da nação.

A RENAMO por exemplo refere que ficou muito por dizer, pois o país está a passar por várias dificuldades.

Ouvir o áudio 02:42
Ao vivo agora
02:42 min

Filipe Nyusi diz que estado da nação moçambicana "é desafiante, mas encorajador"

José Lopes porta-voz da RENAMO, disse à imprensa que "esperávamos que ele trouxesse mais informações sobre a paz, quando é que ela é definitiva, e não falar de tréguas. Gostaríamos também que fosse anunciado quando é que vão ser responsabilizados os tubarões do crime organizado e os autores das dívidas ocultas."

Por seu turno, Fernando Bismarque, porta-voz do MDM disse aos jornalistas que "o próprio Presidente quando diz que é desafiador e é encorajador remete-nos a uma ideia de muita preocupação. É como se estivéssemos no alto mar, numa canoa que naufragou e estamos à espera de socorro... mas não temos a certeza que iremos ser salvos".

Já a FRELIMO apreciou de forma positiva a situação geral do estado da nação. Para o seu porta-voz, Edmundo Galiza Matos Júnior, a apreciação positiva que faz fica a dever-se às realizações do Governo este ano quando na realidade o país vive um cenário económico difícil. "Efetivamente foi um ano desafiante e encorajador. Tivemos diversas ações governativas que proporcionaram melhores condições de vida aos moçambicanos, com inaugurações e lançamento de infraestruturas sociais e económicas..."

Recorde-se, que o Centro de Integridade Pública de Moçambique (CIP) classificou na terça-feira (19.12.) como um défice democrático o facto de o Presidente da República não ser sujeito a perguntas em relação à informação que presta sobre o estado da nação no Parlamento.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados